|
  • Bitcoin 121.350
  • Dólar 5,0575
  • Euro 5,2320
Londrina

Domingos Pellegrini

m de leitura Atualizado em 03/07/2022, 14:40

Goiabas da vida, os ciclos fantásticos da natureza

Conforme Darwin, a variedade de clima favorece a variedade de espécies como formas de luta pela vida

PUBLICAÇÃO
sábado, 02 de julho de 2022

Domingos Pellegrini
AUTOR autor do artigo

Foto: Dalva Vidotte/ Divulgação
menu flutuante

Essa aí na foto é a primeira flor da nossa renascida goiabeira.

Sim, conforme o calendário  a primavera virá só em setembro, mas a variedade das plantas não respeita o calendário, até porque muitas vieram de outras partes do planeta. As mangueiras vieram da Índia, os pessegueiros da China e as laranjeiras da Ásia, talvez por isso aqui florem no inverno. Mas as goiabeiras são americanas e também florem no inverno, embaralhando mais as floradas e estações. Como Londrina está quase no Trópico do Capricórnio, com clima intertropical também variado, aqui temos muitos veranicos tardios de outono e invernicos temporões de primavera, muitas vezes com dois climas num mesmo dia.

Conforme Darwin, a variedade de clima favorece a variedade de espécies como formas de luta pela vida, e nossa goiabeira parece exemplo disso. Foi plantada decerto por passarinhos quando a casa ainda estava em construção. Resistiu à terraplanagem, apoiada numa estaca de ripa, e agradeceu crescendo como que.

Em apenas dois anos, deu as primeira goiabas, pequenas e nem vermelhas nem brancas, rosadas, saborosas e não poucas, quase todas porém com ferrugem ou bicho-da-goiaba.  No ano seguinte, geou e, depois de poda de cobertura, talvez porque a geada matou os fungos e os bichinhos,  nossa goiabeira deu goiabas perfeitas e tantas que fizemos goiabada de tacho.

Depois porém já ano passado, a bichinha, chamamos assim, pegou geada forte e, depois de semanas parecendo resistir desfolhada, secou até o tronco. Cortei na altura dos olhos o tronco seco da grossura de minha coxa, com respeito e gratidão pelas goiabas... e ela deve ter gostado, porque rebrotou! Rebrotou do chão em vários galhos, deixamos dois, em V como braços, e enfolharam, amarramos no tronco seco, engalharam virando duas arvorezinhas irmãs disputando quem cresce mais.

E eis que nas duas pintaram flores, várias florezinhas brancas e delicadas entre as folhas grossas de goiabeira.

Das cinco flores, só duas viraram goiabinhas, ainda minúsculas como lágrimas verdes, agarrando galho e procurando flor. Só Deus sabe porém se chegarão a amadurecer, resistindo ao frio e às secas do inverno, mas certo é que, por já ter resistido à mais forte geada em meio século, certamente é goiabeira de variedade resistente.

Isso faz lembrar dos filhos, sempre tão vários do corpo à alma, e também nos faz pedir a Deus resistência para eles.

São realistas mas expressamente consoladoras as palavras de Darwin sobre a variedade de espécies e indivíduos e sua luta pela vida : “Quando refletimos sobre essa luta nos podemos consolar com a completa segurança de que a guerra na natureza não é incessante, que não se sente nenhum medo, que a morte é geralmente rápida e que o vigoroso, o sadio, o feliz, sobrevive e se multiplica”. 

Fico com esperança de que nossa goiabeira não só sobreviva como seja replantada por outros passarinhos, ganhe mais resistência sempre e, através de filhas e netas, chegue ao século 22.