|
  • Bitcoin 234.292
  • Dólar 5,5134
  • Euro 6,2536
Londrina

Alexandre Garcia 5m de leitura Atualizado em 05/10/2021, 18:38

Pergunte-se

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 06 de outubro de 2021

null
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O neurologista que me tratou quando bati a cabeça no chão, há alguns anos, Dr. Régis Tavares, me contou que ensinava seu filho de quase cinco anos o que é combustível: a gasolina que faz o carro andar, o sol que dá vida às plantas, o gás que produz calor no fogão, o alimento que faz a pessoa se mover. O menino o interrompeu e perguntou qual é o combustível do cérebro. Antes que o pai neurologista falasse em livros, foi surpreendido com a genial resposta do próprio filho:

- O combustível do cérebro são as perguntas.

A resposta fez o Dr. Régis recordar quantas perguntas modificaram o mundo e constatar que nesses dois anos de pandemia o que se viu foi o contrário: não questione a ciência, obedeça a ciência, não pergunte. Pobre Ciência! Foi transformada pela mídia, pela CPI, em dogma, só com certezas, sem dúvidas, sem perguntas. O que não admite experiência, contraponto, dúvida, perguntas, não é ciência, é questão de fé, como se demonstra na repetição de jaculatórias na mídia e de autos de fé nas inquisições da CPI.

- Dizer que um conhecimento é inquestionável é ser menos científico do que duvidar dele – ensina o neurologista, estudioso dos neurónios, das sinapses e do comportamento humano que é gerado no cérebro. O humano limitado, diante do universo infinito, tem a arrogância de querer limitar a verdade. Ainda há infinitas perguntas a desafiarem o nosso cérebro, para que ele pense e busque. Quem tem a verdade definitiva, parou de perguntar, parou de descobrir, parou de evoluir. Parou. Sem combustível. Pane seca.

E isso tem a ver com a política, porque sofremos uma campanha para aceitar o pensamento pronto, verdade pronta – infelizmente desde a universidade, onde deveriam estar as luzes que nos levariam a buscar mais luzes no horizonte infinito. O lobo totalitário pode estar camuflado de cordeiro de ciência. A conspiração do não-pensar, não-perguntar é o complô do domínio, do totalitarismo, porque o pensar, o perguntar, faz cada um de nós um mundo – e querem que cada um de nós seja apenas um escravo, de um mundo único, do consenso, com resposta única, sem perguntas. Pergunte-se você, se o que pensa é mesmo seu ou o estão algemando em respostas sem que se possa duvidar e perguntar. Não deixe faltar o combustível de seu cérebro.

A opinião do colunista não reflete, necessariamente, a opinião da FOLHA. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM