Contribuintes de Londrina interessados em utilizar o serviço de pronto atendimento da Secretaria Municipal da Fazenda, instalado dentro do Terminal Central, só podem acessar o posto mediante pagamento da passagem de ônibus. A medida, determinada pela Companhia Municipal de Trânsito e Urbanismo (CMTU) e setor de arrecadação da Fazenda, está confundindo os usuários que tentam obter certidões negativas ou guias de impostos no local.
Por ter se negado a desembolsar o dinheiro da passagem, o imobiliarista Mário Sérgio de Souza não conseguiu entrar no posto. ‘‘É um absurdo vincular o atendimento à utilização do transporte coletivo. Sou contribuinte e tenho direito de usar o serviço, que inclusive serve para arrecadar recursos para a prefeitura. Eles deviam facilitar em vez de colocar obstáculos’’, reclamou.
Para solucionar o problema, Mário sugeriu controlar o acesso dos contribuintes através da retenção de documentos na entrada do terminal. ‘‘Outra possibilidade seria a instalação do posto em um local que permitisse acesso interno ou externo’’.
Para Washington Lopes, gerente dos terminais urbanos de Londrina, a reclamação não se justifica, pois o serviço foi criado para atender exclusivamente os passageiros do transporte coletivo. ‘‘O prédio não tem estrutura para atender usuários externos’’, explicou. A secretaria de Fazenda confirmou que o pronto atendimento foi instalado especialmente para as pessoas que já estão dentro do terminal.
Lopes acrescentou que a retenção de documentos na entrada é proibida por lei. ‘‘Nós chegamos a permitir essa prática durante a campanha de arrecadação do IPTU com perdão dos juros, mas suspendemos porque estávamos contrariando determinações legais’’, disse. Segundo o gerente, existe um estudo sobre a transferência do posto para os guichês de venda de passes, que permitem acesso interno e externo.
Benedito Ferreira da Silva, que trabalha em uma das portarias do terminal, informou que poucas pessoas tentam acessar o posto sem pagamento do passe. ‘‘Mas os que insistem ficam bravos e acabam descontando em mim, que não tenho culpa de nada’’, reclamou. O pronto-atendimento da Fazenda está funcionando desde abril deste ano e atende uma média de 2 mil pessoas por mês.