Muitos idosos se emocionaram com a visita de Papai Noel
Muitos idosos se emocionaram com a visita de Papai Noel | Foto: Fotos: Anderson Coelho



Um quadro negro, um pedaço de giz, um fotógrafo, um varal e muita gente disposta a ajudar. Com esses elementos foi possível criar uma festa de Natal bastante especial para os 70 idosos do Lar Maria Tereza de Andrade Vieira, na Vila Santa Terezinha, zona leste de Londrina. Cada morador do asilo foi fotografado segurando um quadro negro no qual escreveu o que gostaria ganhar de presente. Os desejos foram os mais diversos. Havia aqueles que queriam ganhar um perfume, outros queriam um par de sapatos, roupas e teve gente que pediu frango assado para todos. As fotos foram penduradas em um varal na sede da Unimed. Cada funcionário da cooperativa de médicos escolheu uma fotografia para comprar o presente.

O dia da entrega desses mimos no asilo foi nesta quinta-feira (21) e transformou a data em algo repleto de alegria para todos. As festividades começaram com a visita dos familiares aos moradores do Lar Maria Tereza e logo todos compartilharam um almoço festivo. Zilda de Oliveira Ferreira, 72, foi visitar a sua irmã Dulce Eduarda de Oliveira, 85, e ficou emocionada. "Adorei visitar minha irmã, adorei a festinha. O almoço estava ótimo", destacou. O cardápio teve carne, frango, arroz, feijão e salada e deixou todos saciados, tamanha a fartura. Ferreira gostou muito da comida, mas ficou mais contente quando viu sua irmã bem. "Ela está com saúde, sem se queixar de nada", enalteceu. "Minha mãe morreu cedo e foi ela quem me criou. Fico feliz em ver que ela está gostando de todos aqui no lar. A gente está sempre aqui", declarou.

Aparecida Breve pediu uma blusa vermelha: "Fico emocionada, não consigo nem falar"
Aparecida Breve pediu uma blusa vermelha: "Fico emocionada, não consigo nem falar"



Enquanto concedia a entrevista, Oliveira foi surpreendida com um presente entregue por Papai Noel. O pedido? Uma corrente dourada bem longa. O pequeno pacote já denunciava que ela havia conseguido o que havia solicitado. "Eu estava esperando bastante por esse dia. Fiquei toda satisfeita, alegre e contente por ver o Papai Noel. A gente fica assim ao ganhar um presente legal. Pedi essa correntinha para me sentir mais bonita. Mudou a minha rotina e eu agradeço a Deus por isso", contou. "Hoje está sendo um dia muito bonito. Desejo a todos um Feliz Natal", declarou.

Outra moradora do asilo, Aparecida Breve, 65, pediu uma blusa vermelha e logo o bom velhinho também a presenteou. "Já tenho uma da mesma cor, agora ganhei outra. Ver o Papai Noel me faz lembrar do tempo de criança. Traz bastante coisa para a nossa mente. Fico emocionada, não consigo nem falar." Ela também recebeu a visita de seus familiares, mas por compromissos profissionais ele foram embora antes da entrega dos presentes. "A festa foi boa. Gostei de tudo. O Natal representa o menino Jesus e o nascimento dele trouxe bastante alegria para a humanidade", ressaltou.

Fabianne Piojetti é gestora da área de sustentabilidade da Unimed, e destaca que todos os anos a cooperativa realiza ações de Natal. "Há vários anos pegamos as cartas direcionadas ao Papai Noel nos Correios, mas este ano um colaborador trouxe a ideia de fazermos a entrega de presentes no asilo. Foi a primeira vez que presenteamos os idosos", relatou. "Essa ação foi bem bacana. Está bem legal ver a satisfação deles ao receber os presentes que eles mesmo pediram", destacou. Ela enalteceu que foram comprados presentes a mais, já que no dia da conversa e da fotografia, alguns deles estavam hospitalizados.

'Logo vamos ter que construir mais alguns lares'

Durante a festa, a fundadora doLar Maria Tereza de Andrade Vieira, Cecília Martins Ribeiro, 87, declamou o poema "Jesus, alegria dos homens". "Nesta hora de incerteza, de cansaço e de agonia, nesta hora em que, de novo, a guerra se prenuncia, neste momento em que o povo não tem rumo, nem tem guia; Ó Jesus, agora e sempre Tu és a nossa alegria!"

Visivelmente emocionada e com voz embargada, relembrou de quando o lar foi fundado. "Comecei acomodando as pessoas na dependência de casa, mas logo ela ficou pequena e mudamos para um lugar maior, com três quartos. Depois a prefeitura nos cedeu esse terreno, em que construímos o atual lar. Estou com 87 anos e vejo que só Deus é quem poderia despertar nas pessoas o desejo de continuar com o trabalho que comecei, porque perceberam que a necessidade das pessoas terem um lugar para ficar é grande. Logo vamos ter que construir mais alguns lares como esse aqui", projetou.

Uma das voluntárias é a atual presidente da instituição, Sueli Rizzi. "Hoje temos sete homens e 63 mulheres morando aqui. A gente procura cuidar de todos da melhor forma possível. Temos uma equipe multiprofissional composta por enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos e terapeutas ocupacionais para dar a assistência necessária. Envolvemos também a família de cada um dos idosos para que eles não se sintam abandonados", expôs.

Sobre a atividade natalina, a presidente destacou que a atitude dos funcionários da cooperativa teve a aprovação de todos. "Eles amaram. Foi muito bacana. Os idosos são queridos e valorizam esse tipo de atitude. Eles se sentem valorizados e foi uma atividade bastante festiva."