Servidores da UEL aprovam início de greve para segunda-feira


Rafael Machado, Mateus Reginato e César H.S. RezendeGrupo Folha
Rafael Machado, Mateus Reginato e César H.S. RezendeGrupo Folha
Servidores da UEL aprovam início de greve para segunda-feira
Roberto Custódio



Sem os salários de janeiro na conta, funcionários da UEL (Universidade Estadual de Londrina) optaram por deflagrar greve já nesta segunda-feira (5). A decisão foi tomada em uma assembleia realizada na manhã desta quinta no anfiteatro do CCH (Centro de Ciências Humanas). Dos presentes, 40 votaram a favor da paralisação e 31 contra. A suspensão dos serviços será por tempo indeterminado e também atingirá o HU (Hospital Universitário), HC (Hospital das Clínicas) e Hospital Veterinário.

De acordo com o presidente da Assuel, que representa os servidores, Adão Brasilino, uma comissão será formada para decidir como será o atendimento nos hospitais. A categoria também deliberou que as matrículas dos aprovados no vestibular 2018 não serão feitas durante a greve. Outra assembleia está programada para 13h30 desta quinta no anfiteatro do HU. "Esperamos que saia a mesma deliberação", informou o sindicalista.

Brasilino argumentou que a medida de não atender os novos estudantes da UEL foi tomada "porque o governo insiste em precarizar o serviço público. O maior exemplo é a falta de pagamento dos nossos salários", salientou. Em 2018, 2.482 vagas foram ofertadas em 53 cursos de graduação. De acordo com a assessoria de imprensa da Seap (Secretaria de Administração e Previdência), os documentos enviados na semana passada pela reitora da UEL, Berenice Jordão, estão sendo analisados por técnicos do órgão. Ainda não há previsão da liberação do pagamento aos servidores. A resposta só deve vir no final da tarde desta quinta.

Os dados repassados pela reitoria oficializaram a adesão da UEL ao sistema Meta 4, lançado pelo governo estadual para gerenciar a folha de pagamento do funcionalismo público. Enquanto isso, a UEM (Universidade Estadual de Maringá) é a única no Paraná que ainda não aceitou ser incluída no programa.

Professores

Se os servidores já querem iniciar a greve na semana que vem, professores da UEL foram mais cautelosos. Em assembleia na manhã desta quinta no CESA (Centro de Estudos Sociais Aplicados), os docentes mantiveram o indicativo de paralisação, mas avaliaram que é melhor aguardar a deliberação que será feita em reunião da mesma categoria em Maringá. "Vamos esperar a reunião dos sindicatos. Se os salários não forem pagos, retomamos a discussão", disse o presidente do Sindiprol/Aduel, Nilson Magnanin Filho.



(Atualizado às 11h40)

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo