Imagem ilustrativa da imagem Sem veículos, limpeza de bueiros está comprometida em Londrina
| Foto: Anderson Coelho



Na última quarta-feira (20), a forte chuva que caiu no centro de Londrina alagou várias ruas, invadiu lojas e residências e ainda deixou motoristas e pedestres assustados com as dificuldades para circular nas vias.

Uma somatório de fatores desenharam o cenário que chamou tanta atenção dos londrinenses. Além do fenômeno natural, a impermeabilidade urbana do centro da cidade e a incapacidade dos bueiros em escoar o grande volume de água contribuíram com a formação de riachos sobre o asfalto.

Questionado pela FOLHA, o secretário de Obras, João Verçosa, comentou que a chuva atípica "pegou de surpresa" a equipe responsável pelo serviço de limpeza, justamente em um momento que a pasta enfrenta problemas com os veículos e equipamentos necessários para a manutenção das bocas de lobo.

De acordo com ele, a secretaria possui dois caminhões, mas um dos veículos está quebrado com necessidade de troca. O outro caminhão estava sendo utilizado para o serviço, mas preciso ser levado para manutenção. Verçosa calcula que um carro novo adaptado para o serviço custa aproximadamente R$ 1 milhão, o que torna a aquisição inviável devido ao orçamento da pasta em 2017.

"A expectativa para o próximo ano é melhor com aumento na arrecadação. Temos o objetivo de comprar equipamentos para colocar nos caminhões e recompor nosso Parque de Máquinas", projetou.

Imagem ilustrativa da imagem Sem veículos, limpeza de bueiros está comprometida em Londrina
| Foto: Anderson Coelho



Apesar dos problemas, o secretário avalia como positivo a média de 200 a 250 limpezas de bocas de lobo por mês. Em novembro, foram 213 serviços realizados e em outubro 249. O maior número foi registrado em janeiro com 272 manutenções por causa das fortes chuvas do início do ano.

Verçosa também pediu a colaboração dos londrinenses para auxiliar na limpeza da cidade com a correta destinação de lixos e resíduos. "Se o morador não faz a contenção de uma obra da maneira correta, a chuva pode levar parte do material para as redes de galerias. Até carrinho de bebê já foi encontrado em bueiros da cidade."