Sem reforma, Escola Xavier da Silva ameaça desabar Mauro FrassonOdete Farias diz que situação precária do colégio é resultado da omissão do governo do Estado Luciana Pombo De Curitiba Paredes rachadas, estrutura deficiente, assoalho quebrado, portas e janelas caindo. É esta a descrição do prédio da Escola Estadual Xavier da Silva, no Centro da Curitiba, um dos mais antigos do Estado. O prédio, com 97 anos, nunca passou por reformas. Oito salas de aula estão interditadas desde novembro do ano passado, quando o Departamento de Construção e Obras do Estado verificou que a estrutura corria riscos de desabamento. ‘‘As crianças estavam correndo risco de vida’’, lembrou Maria Elizabete Bozza Prodóscimo, presidente da Associação de Pais e Mestres (APM) da escola. Mesmo com a interdição da ala com maior deficiência estrutural, os acidentes continuam ocorrendo no prédio. A diretora administrativa da escola, Odete Farias, contou que recentemente uma porta caiu em cima dela. ‘‘Eu estava fazendo a verificação normal das instalações quando uma porta caiu na minha cabeça’’, disse. Antes do Carnaval, outro acidente. Desta vez, foi o portão de entrada. ‘‘Isto é um risco para todos nós. Eu tenho cicatrizes dos acidentes que sofri por aqui. Tudo por causa da falta de interesse do Estado em resolver os problemas’’, disse Odete. Para suprir provisoriamente a deficiência estrutural, foi alugado um imóvel – próximo ao colégio – para abrigar cerca de 800 alunos de 5ª a 8ª séries e do ensino médio. O imóvel não tinha divisórias e teve que ser totalmente adaptado. Os recursos utilizados foram os da própria APM. ‘‘O Estado não deu apoio na mudança, nem nos ajudou a colocar as divisórias ou montar as turmas’’, desabafou Elizabete. Para a mudança foram gastos R$ 5 mil. Na época da interdição da escola, o governo do Estado prometeu que faria uma licitação para que as obras de reforma da instituição fossem realizadas. No entanto, a direção não recebeu qualquer informativo sobre a situação do processo licitatório. ‘‘Apenas o que percebemos é que o prédio está em estado de total abandono. E continuamos tendo riscos de desabamento de outras alas. Ficamos nos perguntando, onde está o Estado?’’, questionou. No prédio antigo ainda funcionam as turmas de 1ª a 4ª séries, com cerca de 800 crianças. A assessoria de imprensa da Secretaria de Estado da Educação informou que o edital para a licitação da restauração total do prédio foi publicado no dia 11 de novembro. As obras foram orçadas em R$ 494 mil e deverão ser iniciadas ainda este mês. A previsão para a conclusão dos serviços é em janeiro de 2001. A restauração da Escola Estadual Xavier da Silva faz parte de um projeto que vai atender 23 prédios históricos ainda este ano. Dois já estão em andamento, um em Paranaguá (Instituto Caetano Munhoz da Rocha) e outro em Londrina (Colégio Estadual Marcelino Champagnat).