Promotor ameaça embargar área do Iate Clube Ney de SouzaO promotor Luis Marchioratto O promotor de Justiça de Foz do Iguaçu, Luis Francisco Marchioratto, discordou dos argumentos usados pela diretoria do Iate Clube Lago de Itaipu. Ele disse que a questão se resume em ‘‘simplesmente obedecer à lei’’. ‘‘Temos outros 27 locais que serão avaliados em outros pontos do lago. Já detectamos problemas também nas prainhas públicas, onde estão algumas construções permanentes irregulares.’’ Marchioratto contestou também o ‘‘empurra-empurra’’ que estaria ocorrendo em relação à licença do Ibama, argumentando que a Comissão Técnica Mista composta pelo IAP, Ibama, Itaipu e Ministério Público (Cetim) trabalha e delibera em conjunto, ou seja, todos os representantes sabem das ações que estão sendo praticadas pelos integrantes. ‘‘É importante lembrar também que o relatório de março de 98 não é mais o mesmo parecer do Ibama’’, disse o promotor, referindo-se ao parecer da procuradora Lucimara Kosteczka (veja reportagem nesta página), que já estaria desatualizado. O prazo final para a assinatura do acordo de devolução da área está marcado para o dia 23. ‘‘Eles tiveram quatro anos para apresentar uma proposta comunitária para que o Conselho analisasse. Agora, se não aceitarem as determinações da lei, embargaremos a área’’, alertou.