O governador Jaime Lerner assinou o decreto 2.870 para criar o Conselho Permanente dos Direitos Humanos do Estado do Paraná (Coped), uma reivindicação antiga de Organizações Não-Governamentais (Ongs). No mesmo decreto, foram criados cargos para oito membros titulares representantes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário e outros oito para representantes de Ongs, além da nomeação de 16 suplentes. Cada mandato deverá vigorar por dois anos. ‘‘É um passo a mais para que a Secretaria de Estado da Justiça comece a dar amplitudes de órgão voltado para a cidadania’’, apostou o secretário de Estado da Justiça, Pretextato Taborda Ribas, licenciado do cargo para coordenar a campanha de reeleição do prefeito Cassio Taniguchi (PFL).
O Conselho Permanente dos Direitos Humanos será presidido por Tato Taborda. Também integrarão a entidade o ouvidor geral João Elias de Oliveira, Antonio Carlos Coelho (assessor especial de Assuntos Fundiários), Juraci Barbosa Sobrinho (ex-diretor do Instituto de Pesos e Medidas), Beto Richa (deputado estadual), Roberto Massaro (Corregedor de Presídios), Olympio de Sá Sotto Maior Neto (procurador do Ministério Público), Wagner Rocha D’Angelis (OAB), Narciso Pires (Movimento Nacional de Direitos Humanos e do Grupo Tortura Nunca Mais), Márcio Alves da Silva (Conselho das Igrejas Cristãs), Toni Reis (Grupo Dignidade), Darci Frigo (Comissão Pastoral da Terra), Paulo Pedron (Instituto de Defesa dos Direitos Humanos do Paraná), Maria de Lourdes de Souza (Associação Cultural Negritude do Paraná), Luiz Nascimento (Pastoral Carcerária) e Luiz Edgard Chisti (Grupo Esperança).
‘‘Agora teremos mais liberdade para atuar e decidir. E temos que decidir. Cada um fazendo sua parte’’, disse Narciso Pires. (L.P.)