|
  • Bitcoin 109.486
  • Dólar 5,2387
  • Euro 5,5447
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 02/02/2021, 09:26

Policiais recomendam cuidados com a segurança da casa ao viajar

Avisar um vizinho de confiança sobre a viagem é muito importante, assim como seguir as dicas de como evitar que o imóvel "denuncie" que a família está de férias

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 01 de fevereiro de 2021

Débora Mantovani - Estagiária*
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem Policiais recomendam cuidados com a segurança da casa ao viajar Imagem ilustrativa da imagem Policiais recomendam cuidados com a segurança da casa ao viajar
|  Foto: iStock
 

No início do ano, mesmo em meio à pandemia, não é incomum as pessoas viajarem de férias por alguns dias. Além dos cuidados redobrados que se deve ter por conta da Covid-19, é importante tomar precauções para evitar furtos ao deixar a residência vazia, principalmente para quem mora em casa.

Avisar um vizinho de confiança sobre a viagem é uma das indicações do comandante do 5º BPM (Batalhão da Polícia Militar do Paraná) tenente coronel Nelson Villa Júnior. “Nós sugerimos para que esse vizinho possa, além de cuidar da residência, notando alguma atividade anômala, fazer também a limpeza da parte da frente da casa”, diz.

O comandante explica que folhas secas caídas no quintal e sujeira acumulada são indicativos de que a casa está vazia, o que pode atrair criminosos. “Uma outra coisa de extrema importância é o equívoco que as pessoas têm de deixar a luz da frente da residência acesa”, pontua Villa. Ele explica que muitos fazem isso para criar a ilusão de que tem pessoas na casa. “Isso à noite pode funcionar. Mas, essa mesma luz, se mantida ligada durante o dia, tem o efeito inverso, pois é indicativo de que não há ninguém na residência”, explica.

O subcomandante da 4° CIPM, 1° tenente Emerson Castro, também não recomenda as luzes acesas durante o dia. “As luzes internas podem ser programadas para acenderem em determinado período ou ainda alguém poderá acendê-las. Não deixe luzes externas acesas”, recomenda. Ele orienta sobre o uso de cadeados. “Os cadeados postos para fora do portão indicam que os moradores saíram. Portanto, deixe-o do lado de dentro”, recomenda.

Tenente Castro lembra também os cuidados para quem mora em apartamento. “Certifique-se de que o apartamento esteja trancado, desligue o botijão de gás, confira se não há nenhum equipamento eletrônico ligado ou algo no fogo”, pontua. “O que for possível retire da tomada”. Ambos aconselham a deixar uma chave de casa com um vizinho de confiança, para que recolha correspondências e periódicos que forem entregues na casa. “O acúmulo deles é um indicativo de que a casa está vazia”, explica o comandante do 5º BPM.

Villa indica também para que os vizinhos que estiverem tomando conta da casa não esperem o roubo acabar para contatar a polícia. “Qualquer situação ou comportamento de pessoas próximas à residência que parecer suspeito deve ser imediatamente informada ao 190”, orienta. “A nossa missão principal é a prevenção, evitar que o crime aconteça. Quanto mais rápido a polícia for informada, mais provável é que se consiga recuperar os pertences que foram roubados ou evitar que o crime seja concluído”, afirma.

Os dois sugerem a aquisição de um dispositivo de segurança monitorado. “A utilização de câmeras de segurança e de alarmes é sempre importante para prevenir e reprimir crimes”, ensina o subcomandante da 4° CIPM. Além disso, Castro explica que a chave deixada com um vizinho pode ser útil para a polícia. “É comum a polícia atender ocorrências de arrombamento e os policiais não conseguirem fazer a abordagem de suspeitos na casa, porque não conseguem acessar o ambiente”, afirma. “Quando há prevenção ou a repressão de furtos e roubos em residências é normalmente porque um vizinho ou parente nas proximidades comunicou à polícia sobre o crime”, pontua.

Ele finaliza as recomendações com um alerta: “não deixe seu animal de estimação sozinho e trancado”. É necessário deixá-los sob cuidado de um vizinho ou parente. “Deixar o animal em condições precárias caracteriza o crime de maus tratos contra os animais”, aponta.

*Sob supervisão de Fernanda Circhia