O assaltante Marcelo Moacir Borelli, 33 anos, preso na madrugada de domingo, foi transferido ontem para a sede da Polícia Federal (PF) em Brasília (DF). Borelli foi preso com um caminhão carregado de armas no pedágio da BR-277 em São Luiz do Purunã (50 km a noroeste de Curitiba). Era procurado pela Justiça de Brasília por ter participado do roubo de 61 quilos de ouro de uma aeronave da Vasp no Aeroporto Internacional de Brasília, em julho deste ano.
A PF do Paraná investiga a possibilidade de Borelli chefiar a quadrilha que sequestrou o Boeing 737-200 da Vasp no dia 16 de agosto. Na ocasião, cinco assaltantes desviaram o avião que fazia a rota Foz do Iguaçu-Curitiba para Porecatu (85 km ao norte de Londrina), onde roubaram R$ 5 milhões de um malote do Banco do Brasil. Gerson Palermo, suspeito de integrar a quadrilha, foi detido no final de agosto.
Além de Borelli, a PF de Brasília prendeu outras três pessoas envolvidas no episódio do aeroporto. Segundo informações da assessoria da PF brasiliense, o grupo que roubou o carregamento de ouro era composto por 12 a 15 pessoas. ‘‘Já foram identificadas dez pessoas que participaram dessa ação’’, informou um agente federal.
Também estão sendo investigados Zenice Roberto Pires, 23 anos, que acompanhava Borelli no caminhão e Luiz Carlos Riego, 34 anos, que dirigia o veículo. Segundo o superintendente da PF do Paraná, Luiz Bertrand Melzer, está sendo instruído um processo por formação de quadrilha. A Polícia suspeita que a Borelli estava planejando um novo assalto, desta vez ao Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais. Ele também está na mira do Judiciário estadual em Londrina e Cornélio Procópio por causa dos assaltos aos carros-fortes em Miraselva, Londrina e Campo Mourão ocorridos desde 1997.