|
  • Bitcoin 121.615
  • Dólar 5,0547
  • Euro 5,2170
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 21/07/2022, 18:14

Polícia Civil investiga assassinato de duas mulheres em Ibiporã

Um bebê de três meses ficou ferido; linha de investigação é de feminicídio, mas outras motivações ainda estão sendo apuradas

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 21 de julho de 2022

Micaela Orikasa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Micaela Orikasa - Grupo Folha
menu flutuante

A Polícia Civil de Ibiporã (Região Metropolitana de Londrina) investiga os motivos do crime ocorrido nesta madrugada de quinta-feira (21), no bairro Terra Bonita. Duas mulheres foram mortas com disparos de arma de fogo e um bebê de três meses foi ferido na mão, dentro de uma residência, na rua Ponta Grossa.  

A principal linha de investigação, segundo o delegado Vitor Dutra, considera um crime de feminicídio. “Mas não descartamos outras motivações. Formalmente, a gente não encontrou ocorrências, por parte das vítimas, relacionadas a ameaças, mas há relatos que uma delas vinha sendo ameaçada devido ao fim de um relacionamento”, diz.  

O crime ocorreu por volta da 1h. A Polícia Militar foi acionada, a princípio, para atender uma ocorrência de assalto, mas ao chegar no endereço encontrou as duas mulheres em óbito e o bebê com um corte na mão. Ele foi encaminhado ao Hospital Cristo Rei e passa bem.  

AMEAÇAS

Segundo o tenente Emerson Castro, do 30º Batalhão da Polícia Militar, uma filha de uma das vítimas relatou à equipe que um homem entrou na residência, atirou contra as mulheres e fugiu em uma motocicleta. “Disse que não foi dado voz de assalto e tampouco falou com as vítimas. Informou também que já houve uma briga e várias ameaças por parte do ex-namorado de uma das mulheres, porém não afirmou ter sido ele o autor por não ter visto o rosto do agressor.” 

Ainda de acordo com ele, não há indícios de que o crime seja de latrocínio ou por intolerância religiosa, considerando que o local era conhecido como um centro de umbanda. O delegado Dutra também diz que é muito cedo para relacionar os homicídios com religião. “Também é cedo para estabelecer uma pessoa como autor, mas as equipes já estão trabalhando nas ruas. Foram repassadas algumas características desse homem, mas era noite e possivelmente ele estava de capacete, o que gera uma dificuldade na parte do reconhecimento, mas há outras provas com que podemos trabalhar”, afirma.  

Imagem ilustrativa da imagem Polícia Civil investiga assassinato de duas mulheres em Ibiporã Imagem ilustrativa da imagem Polícia Civil investiga assassinato de duas mulheres em Ibiporã
|  Foto: Micaela Orikasa - Grupo Folha
 

A Polícia Civil apontou duas possibilidades na parte dinâmica do crime: a de que o autor dos disparos teria ido até à residência para executar uma das vítimas e, por engano, acabou executando os tiros contra a outra mulher, ou então que ele teria realmente a intenção de matar as duas. “Logo que o homem chegou na residência, entrou no quarto da direita onde estava uma senhora dormindo com a criança e fez a primeira execução, que acabou ferindo a criança. Posteriormente, quando estava saindo desse quarto, se depara com a segunda vítima e disparou a arma de fogo”, afirma.  

Familiares das vítimas, assim como a vizinhança estão em choque com o crime. Um dos vizinhos, que não quis se identificar, comentou que o bairro é tranquilo e que nunca houve qualquer tipo de problema ou incômodo o fato de o local funcionar como um centro religioso. “O dia de maior movimento era no domingo, mas nada que perturbava ou incomodava. Tinha hora para começar e hora para acabar”.  

Um dos familiares conta que a casa pertencia à sua avó, de 49 anos, e que na hora do crime estava na companhia de uma nora. “Ela sempre morou aqui e eu fui criado neste lugar. Motivo religioso não é, mas ainda não consigo entender porque aconteceu isso”, comentou. (Colaborou Rafael Machado)

SERVIÇO: Denúncias anônimas podem ser feitas à Polícia Militar pelo  WhatsApp (43) 98843-7689.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1