POLÊMICA DE 70 ANOS
- Início dos anos 30: Colonos que migravam de Santa Catarina e Rio Grande do Sul para o Paraná abrem uma estrada em meio à mata que em 1939, seria transformada no Parque Nacional do Iguaçu
- 1986: Quando o governo paranaense se preparava para pavimentar o trecho de 17,6 quilômetros que corta o parque (já incorporado à BR-163), a Justiça Federal concede liminar em ação de grupo de ambientalistas que alegavam danos ambientais. Estrada é fechada.
- 1997: Agricultores e políticos das duas regiões invadem o parque e reabrem ilegalmente a estrada; Justiça ordena a desocupação, o que não é cumprido. O juiz Paim Falcão, do TRF, derruba a liminar da Justiça Federal do Paraná que mantinha a estrada fechada; invasores cascalham a estrada e no dia 12 de junho liberam a passagem de veículos, cobrando pedágio. STJ derruba a decisão do juiz Paim Palcão que permitiu a reabertura. Após acordo com o Ibama, invasores se retiram do parque e fecham a estrada. Em troca, órgão se compromete a concluir, em 3 meses, a revisão do Plano de Manejo do parque, não cumprida até hoje.
- 1998: Sem a conclusão do Plano de Manejo, moradores e políticos das duas regiões voltam a invadir o parque e reabrir a estrada. Governo do Paraná e Ministério do Meio Ambiente criam uma comissão para tentar solucionar a questão da estrada. Iniciativa não tem qualquer resultado prático. Comissão da Câmara Federal aprova parecer do deputado Werner Wanderer (PFL-PR), que classifica a área ocupada pela estrada como de ‘‘uso intensivo’’.