Plebiscito com a população de Rio Branco do Sul vai ser lançado para saber se os moradores querem ou não a implantação de um aterro sanitário no município. A consulta vai ser organizada pela Associação Ambiental Votuverava, que leva o nome da localidade onde o aterro deve ser construído pelo governo do Estado para receber o lixo de cidades da Região Metropolitana de Curitiba.
A presidente da ONG, Claudete Galli, disse que a iniciativa vai ser lançada no dia 2 de dezembro. ‘‘Temos aquela política: cada cidade deve cuidar do seu lixo’’, afirmou. Claudete acha que as reservas de água no subsolo também podem ser contaminadas se o aterro entrar em operação. Segundo ela, a região prevista para abrigar o projeto tem um solo bastante frágil.
‘‘Na localidade de Votuverava (nome indígena que singnifica ‘‘montanha que brilha o Sol’’), o solo é arenoso, o que pode provocar a infiltração de chorume no solo e contaminar o Aquífero Karst’’, descreveu Claudete. A ambientalista observou que tanto Rio Branco do Sul, como o município de Itaperuçu, têm um projeto alternativo para construir, em parceria com o grupo Votorantim, uma usina de compostagem, para reciclagem de lixo e produção de adubo orgânico.
Claudete disse que o município não pode negociar compensações para aceitar a instalação do aterro. ‘‘A gente não quer ser conhecida como a cidade do lixão. Nós estamos preparando uma ação na Justiça para bloquear totalmente a implantação do aterro sanitário’’, declarou.