|
  • Bitcoin 118.190
  • Dólar 5,2124
  • Euro 5,3417
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 05/07/2022, 07:48

PF realiza operação de combate ao contrabando de cigarros na região de Londrina

Policiais cumprem 20 mandados de busca e apreensão e três de prisão; grupo é suspeito também de lavagem de dinheiro

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 05 de julho de 2022

Reportagem local
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (5) a Operação Parasitas, com a finalidade de combater um grupo criminoso que atua no contrabando de cigarros e lavagem de dinheiro na região de Londrina.

Imagem ilustrativa da imagem PF realiza operação de combate ao contrabando de cigarros na região de Londrina Imagem ilustrativa da imagem PF realiza operação de combate ao contrabando de cigarros na região de Londrina
|  Foto: Divulgação - PF
 

O objetivo da ação foi dar cumprimento a vinte mandados de busca e apreensão, sendo 17 na região de Londrina,  um em Maringá (Noroeste), um em Guaíra (Oeste) e um em Agudos (SP), bem como a três mandados de prisão expedidos contra os líderes do grupo. 

Segundo a PF, durante  as buscas, foram apreendidos documentos e outros materiais relacionados com a prática criminosa, bem como veículos adquiridos com o dinheiro proveniente do crime. 

Além disso, houve o bloqueio judicial de bens móveis e imóveis e de recursos financeiros mantidos nas contas dos investigados até o limite de R$ 15 milhões.

LARANJAS E EMPRESAS DE FACHADA 

O modus operandi do grupo criminoso consistia na utilização de dados de pessoas físicas (“laranjas”) e jurídicas (“empresas de fachada”) para a movimentação financeira e registro de bens adquiridos com o produto da importação clandestina de cigarros de origem estrangeira. Durante as investigações, apurou-se que integrantes do grupo foram presos diversas vezes transportando cigarros paraguaios.

O contrabando de cigarros, além de causar danos ao erário , também é gerador de uma série de consequências nocivas à sociedade, com reflexos diretos e graves na saúde pública. Por essa razão, a operação policial foi denominada “Parasitas”.

Somadas, as penas previstas para os delitos de contrabando, associação criminosa e lavagem de dinheiro podem chegar a dezoito anos de reclusão.

A PF deve dar mais informações sobre a operação ainda na manhã desta terça. (Com informações da PF)

***

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1