Período noturno pode ficar sem aula de educação física Sid Sauer De Campo Mourão As escolas públicas estaduais da região de Campo Mourão podem ficar sem aulas de educação física no período noturno a partir do dia 22 no ensino médio (antigo 2ª grau). O assunto foi discutido ontem no Núcleo Regional da Secretaria de Estado da Educação. Segundo a chefe do núcleo, Maria de Lourdes Maia Polizer, a disciplina pode continuar existindo, mas sem ser incluída na grade obrigatória de 800 horas-aula anuais. ‘‘O ensino médio já tem uma grade aprovada com 800 horas sem a inclusão de educação física’’, explica. ‘‘Como algumas escolas incluíram a disciplina nessa grade, os alunos vão terminar o ano com falta de carga horária’’, alerta. O prazo dado pelo núcleo é para os colégios reformularem a grade e substituírem as aulas de educação física por outras disciplinas. ‘‘É muito sério deixar os estudantes com aulas descobertas’’, diz Maria de Lourdes. A chefe do núcleo disse que está orientando as escolas a fazer o possível para não tirar a disciplina. ‘‘O trabalho dos nossos professores é bom’’, garante. Ela lembra que foi a nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) que tornou a educação física uma disciplina facultativa no ensino noturno. ‘‘As escolas devem encontrar uma solução’’, diz. Uma das opções é levar as aulas para os sábados ou mesmo para antes ou depois do horário normal de aulas. O presidente da Associação dos Professores de Educação Física da Região de Campo Mourão, Ismar Kath, disse ontem que teme que a medida signifique o fim da educação física no período noturno. ‘‘A maioria dos alunos que estudam à noite trabalha fora e não têm como assistir aulas aos sábados ou a partir das 18h15’’, disse. ‘‘A LDB diz que a disciplina é facultativa, mas o aluno está ficando sem o direito de optar por ela’’, completou. De acordo com Kath, o fim da disciplina no ensino noturno também pode significar a demissão de pelo menos 30 professores em toda a região, que não têm estabilidade (a região tem cerca de 160 professores de educação física). ‘‘É estranho que essa política tenha vindo depois do governo ter investido na construção de quadras de esportes cobertas e iluminadas nas escolas’’, ressalta o professor. ‘‘Essa estrutura corre o risco de se tornar um investimento perdido’’.