SERIAL KILLER Pedreiro confessa que estrangulou 4 mulheres Luciano Reis dos Santos, 22 anos, diz que matava as mulheres que reagiam a assaltos e não lhe entragavam dinheiro Kraw PenasVIOLÊNCIALuciano dos Santos, que é apontado como um homem violento, morava próximo do local onde estrangulava suas vítimas. Rosângela Coutinho (ao lado) diz que rotina na vila onde mora mudou que aconteceram as mortes James Alberti De Curitiba O servente de pedreiro Luciano Reis dos Santos, 22 anos, confessou ontem ter estrangulado três mulheres de Almirante Tamandaré e uma de Rio Branco do Sul, duas cidades da Região Metropolitana de Curitiba. Uma das vítimas foi professora do servente. Apesar da confissão, a polícia acredita que Santos possa ser responsável pela morte de, pelo menos, oito mulheres. Somente ontem outros sete desaparecimentos em Rio Branco do Sul foram comunicados à Delegacia de Almirante Tamandaré – onde o servente está preso. Todos os crimes confessados por Santos foram cometidos nos últimos seis meses e próximo a localidade de Tranqueira, em Almirante Tamanderé, e provocaram temor na população local. Mulheres têm medo de andar sozinhas e saem de casa somente em último caso. Ontem moradores fizeram reunião com autoridades pedindo maior segurança (leia abaixo). Na delegacia, Santos disse que matava as mulheres porque elas resistiam aos assaltos. ‘‘Eu queria dinheiro, mas elas reagiam’’, confessou. Nenhuma das vítimas foi estuprada. O delegado Rogério Antônio Haisi, de Almirante Tamandaré, se refere a Santos como um ‘‘serial killer’’. ‘‘Pelas mesmas razões e formas como agia’’, disse. Haisi afirmou que, somente após novas investigações poderá afirmar em quantos homicídios está envolvido o jovem, conhecido como ‘‘Diabo Loiro’’ e ‘‘Filho da Muda’’. Apontado como violento e vizinho do local dos crimes, Santos já respondia inquérito por assassinato. Esse passado levou o delegado à casa do acusado. Durante interrogatório, ele confessou ter matado a professora Terezinha Elizabete Kepp, 38 anos, no dia 26 de fevereiro. Também teriam participado deste homicídio Dorinei José dos Santos e Sebastião Faria da Silva, ambos de 25 anos. Todos estão presos. Apesar de não demonstrar, Santos se disse arrependido, principalmente da morte da professora Terezinha. ‘‘Estava escuro e a gente não viu quem era. Se tivesse visto, não teria feito isso com ela’’, afirmou. Além de Terezinha, Santos confessou os assassinatos da empregada doméstica Terezinha Rosa Barbosa, 40 anos, da dona de casa Maria Isabel da Rosa, 37 anos, e de outra mulher ainda não identificada. Ele mostrou à polícia onde estava a ossada desta mulher. O delegado acredita que Santos possa estar envolvido na morte da diarista Maria José de Paula Souza, 29 anos, e de mais três mulheres.