Maurício Borges
de Apucarana
O delegado-chefe da 17ª Subdivisão Policial, Nabor Sottomaior, pediu ontem a prisão preventiva de Alex Gomes Macedo Schultz, 23 anos, que seria um dos integrantes da quadrilha que assaltou a Padaria Brasil, no dia 6 de dezembro, no centro de Apucarana.
Na fuga os quatro assaltantes, que ocupavam duas motocicletas, dispararam vários tiros, provocando a morte do estudante de direito Anderson Gomes Ferreira, 19 anos, e ferimentos graves em Diego Garcia Alves, 20 anos.
Conforme revelou Sottomaior, a partir da aquisição de um revólver, as investigações chegaram ao nome de Alex Gomes Macedo Schultz.
‘‘A arma, conforme apuramos, seria para realizar o assalto contra a padaria.’’ A morte do estudante provocou imediata reação das autoridades e todos segmentos organizados da sociedade, condenando a escalada da violência e uma série de crimes sem solução.
Um documento assinado por juízes, promotores, representantes da Ordem dos Advogados do Brasil, Conselho Comunitário de Segurança e Associação Comercial, pediu o afastamento de toda a cúpula da Polícia Civil. A reivindicação foi atendida pelo secretário Cândido Martins de Oliveira e o delegado-geral João Ricardo Kepes Noronha.
O delegado, ao pedir a prisão preventiva, assinalou que os indícios de envolvimento desta pessoa no assalto e a morte do estudante são muito fortes. ‘‘Ele já foi procurado para explicar a compra do revólver, mas não foi encontrado em seu endereço’’, conta, acrescentando que, provavelmente, ele esteja foragido. Quanto às outras três pessoas envolvidas no crime, o delegado afirma que também já estão identificados (no entanto não tiveram seus nomes revelados). Sottomaior deve pedir em breve a prisão preventiva dos três.