ACESSIBILIDADE -

Pedestres se arriscam em meio a veículos na marginal da PR-445

Falta de calçada e mato alto na zona oeste de Londrina expõem trabalhadores e moradores a risco de acidentes

Micaela Orikasa - Grupo Folha
Micaela Orikasa - Grupo Folha

Pedestres que passam diariamente pela marginal da PR-445, na rua Roberto Romanelli, próximo ao acesso ao jardim Colúmbia (zona oeste de Londrina), reclamam da falta de acessibilidade no local. No trecho, não há calçadas e o mato alto está tomando conta. Um leitor da FOLHA, que mora na região, procurou a reportagem para denunciar a situação. “Não há mais calçadas por causa do mato que nos empurra para o asfalto, com o perigo do atropelamento. Há muito tempo esses locais estão assim”, escreveu.  


Pedestres se arriscam em meio a veículos na marginal da PR-445
Gustavo Carneiro - Grupo Folha
 


Naquele trecho de perímetro urbano, há um ponto do transporte coletivo urbano. Segundo Joel Dias Camargo, que trabalha em um barracão ao lado, os usuários desembarcam ali e seguem o trajeto pelo asfalto.  “No final da tarde o movimento é intenso e a gente vê o quanto essas pessoas estão em perigo ao andar na pista. Também não vemos ninguém por aqui roçando esse mato. Nesta semana, algumas equipes fizeram a roçagem, mas no canteiro central e do outro lado da rodovia”, afirma. 



 

Como o terreno em questão fica ao lado do barracão onde Camargo trabalha, ele disse que foi contratada uma empresa para roçar o mato que beira a parede. “Começaram a aparecer muitas aranhas e outra grande preocupação é com a dengue. A gente limpou só um trecho. Falta o terreno todo”, apontou.  


A funcionária de uma clínica veterinária que fica a poucos metros do ponto de ônibus também reclamou. “Quando chove, a situação fica pior. Faz um ano que passo por ali. Não há nenhuma segurança e o fluxo de veículos em alta velocidade é intenso”, disse Danívia Cassiano.  


Para evitar andar na rua, a recepcionista diz que muitos pedestres acessam a rua Sidney Muller, onde há um trecho de estrada de chão. “Quem precisa acessar a marginal acaba dando uma grande volta para não correr o risco de acidente”, comentou.  


CANTEIRO DE DIVISÃO 

A assessoria da CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização) respondeu  que o local onde está instalado o ponto de ônibus é um canteiro de divisão de pista entre as ruas Sidney Muller e Roberto Romanelli. Sendo este trecho de responsabilidade da Companhia, foi informado que a roçagem do mato já está na programação da próxima semana, incluindo todo o jardim  Colúmbia. 


Sobre a falta de calçadas, o Ippul (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina) informou que,  conforme o próprio site da Prefeitura, os terrenos que margeiam a rua Roberto Romanelli são de propriedade particular. 


LEI MUNICIPAL 

De acordo com a Lei Municipal n° 11.381/2011, que traz o Código de Obras e Edificações do Município de Londrina, os proprietários de terrenos (datas urbanizadas) são responsáveis pela execução, limpeza e conservação de suas calçadas.   


O documento detalha que todas as calçadas deverão ser executadas em conformidade com a NBR-9050 da ABNT, em especial no que se refere à declividade, acessibilidade, continuidade sem barreiras ou saliências no seu trajeto. 


Pela norma, caso a calçada não seja construída ou esteja em mau estado, o Município intimará o proprietário para a execução dos serviços necessários dentro de um prazo de 30 dias. Passado esse prazo, a prefeitura poderá executar a obra e cobrar as despesas do proprietário, acrescido do valor da correspondente multa.   


SERVIÇO: Os serviços de capina e roçagem da CMTU seguem uma programação diária. Dúvidas e solicitação de serviços através do telefone: (43) 3379-7900 ou pelo e-mail [email protected] 

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Tudo sobre:


Continue lendo


Últimas notícias