Pais dizem que
não se conformam
com acidente
O pedreiro Nivaldo Martins, de 46 anos, e sua esposa Catarina Aparecida Pinto Martins, 41 anos, não se conformam com o destino de suas duas filhas Elisa e Everli. A mãe, que fazia aniversário ontem, chorou o tempo todo durante o velório, na capela da Igreja dos Santos dos Últimos Dias, que congrega mórmons, no bairro Santa Cândida, em Curitiba.
Enquanto aguardava ansioso notícias da outra filha, que estava no hospital, o pai ainda conseguia contar como tudo aconteceu. ‘‘Eu tinha acabado de chegar em casa do trabalho e tinha mandado os meus dois meninos irem comprar pão. Eles não quiseram ir e as duas meninas acabaram indo no lugar deles’’, disse.
Além de Elisa e Everli, o casal tem mais uma filha de 18 anos e dois meninos de 12 e 16. Diante do desespero, o irmão do pedreiro, Wilson Martins foi quem tomou todas as providências para o enterro e trâmites legais. A família, entretanto, vai insistir para que o caso seja tratado com seriedade na polícia. ‘‘Isto não está certo, eles não podem ficar impunes’’, disse o pai. (M.G.)