Padre mostra costumes dos trapistas Michele Muller De Curitiba Os costumes dos padres trapistas, como o jejum, a vigília e os horários pouco ortodoxos, serão serão apresentados ao público pelo padre Bernardo Bonowitz, prior da casa trapista de Campo Tenente, na Região Metropolitana de Curitiba. A promoção é do Instituto Ciência e Fé. ‘‘Vou abordar alguns fatos que podem favorecer e outros que podem enfraquecer a vida monástica’’, adianta. Como exemplo de pontos favoráveis à difusão da ideologia praticada nos mosteiros, ele cita o crescimento da busca por assuntos espirituais e o abandono do individualismo. Ao mesmo tempo, acredita qur as pessoas estão refletindo menos sobre a vida após a morte. ‘‘E a crença na vida eterna é o que orienta os monges’’, explica. O padre espera que a discussão sirva para que religiosos, estudantes de teologia, místicos e curiosos passem a conhecer mais a fundo algumas questões referentes aos costumes trapistas. Para isso, pretende incluir em seu discurso temas como o jejum, a vigília, a obediência, a doutrina e a espiritualidade. ‘‘Quero apresentar um pouco da riqueza de nossa vida’’, diz. Fundado em 1977, o mosteiro de Campo Tenente – o único no Brasil da ordem trapista – serve de moradia para 17 monges católicos. Conhecidos pela pontualidade jamais desrespeitada, eles acordam de segunda a segunda às 2h40, quando partem para a primeira de uma série de orações. ‘‘Fazemos parte de uma ordem contemplativa, que se dedica exclusivamente à leitura e oração’’, conta. Quem opta por viver entre os trapistas, explica o padre, precisa renunciar ao casamento, família, emprego e vida em sociedade. Também deve apresentar uma forte capacidade de conviver com a solidão e um desejo de se aproximar de Deus. A palestra com o padre, na quarta-feira, terá início às 20 horas, no auditório da Faculdade de Administração e Economia (FAE), na Rua 24 de Maio, 135.