Rubens Burigo Neto
De Curitiba
O Batalhão da Polícia Rodoviária começou ontem, nos 63 postos de fiscalização do Estado, a ‘‘Operação Carga Segura’’, para combater e prevenir o roubo e desvio de cargas nas rodovias estaduais. Em conjunto com unidades especiais da Polícia Militar, os policiais rodoviários vão verificar documentos de motoristas e veículos que trafegam nos 15 mil quilômetros de estradas paranaenses.
De acordo com informações da Polícia Rodoviária, acontecem de 12 a 14 roubos de cargas por mês no Paraná. No ano passado, segundo o coordenador da comissão de segurança do Sindicato das Transportadoras de Carga (Setcepar), Ricardo Farah, o Paraná respondeu por 3,5% dos 5 mil roubos de carga que aconteceram no Brasil. ‘‘Operações como esta contribuem para que o crime organizado diminua’’, elogiou o empresário. Farah afirmou que o índice deste tipo de crime vem aumentando desde o começo da década.
Ele explicou que atualmente os assaltantes não são ‘‘tão exigentes’’ quanto ao tipo de carga para ser roubada. ‘‘Carregamentos de remédios, cigarros, eletro-eletrônicos, pneus e defensivos agrícolas são os mais visados pelos ladrões’’. Farah afirmou que grande parte das transportadoras está sem condições de manter apólices de seguro contra roubo de cargas. ‘‘Acreditamos que num prazo muito curto possamos cumprir a lei (número 61.867-67, que regulamenta o transporte de cargas) que obriga o expedidor da carga a assumir o seguro contra roubo.
Na avaliação de especialistas, o índice de roubos está crescendo pela boa ‘‘lucratividade’’ obtida pelos criminosos. O delegado Jairo Estorilho, da delegacia especializada em roubo e desvio de cargas, contou que neste ano duas cargas recuperadas de medicamentos e de óleo de cozinha seriam vendidas para receptadores por 50% do valor original de fábrica. ‘‘Um crime específico como este, que envolve quadrilheiros profissionais, exige uma repressão especial’’, explicou Estorilho, lembrando que na próxima semana será realizado na Escola da Polícia Civil, em Curitiba, um curso destinado à repressão do roubo de cargas.
A intenção da ‘‘Operação Carga Segura’’ é combater a vinda de quadrilhas especializadas no roubo de cargas de Santa Catarina, São Paulo e Mato Grosso do Sul. ‘‘Os caminhoneiros devem evitar dar caronas para mulheres sozinhas, parar em locais ermos, postos pouco movimentados ou boates na beira das rodovias para evitar assaltos’’, orientou o Tenente Anderson Pereira, do serviço de comunicação social da polícia rodoviária. Outra dica importante, segundo a comissão de segurança do Setcepar, é fazer uma triagem rigorosa dos candidatos a funcionários em transportadoras.