ONG recomenda mais
atenção ao lado psíquico
Arquivo FolhaLADO FRÁGIL DO CRIMINOSOPsiquismo frágil pode levar ao crime, explica Eliana LouvisonDiante de uma lista de crimes passionais que aumenta a cada dia, como entender um ato violento que se esconde atrás do escudo do amor? Para a psicóloga de Londrina, Eliana Louvison, da organização não-governamental (ONG) Pais em Paz, é a incapacidade psíquica de lidar com os sentimentos que são inerentes ao amor que leva as pessoas a cometerem crimes violentos. ‘‘E não o excesso de emoções’’, afirma.
E este universo não é composto por doentes mentais, mas por pessoas comuns que em determinado momento sofrem uma espécie de falha psicológica. ‘‘Estas pessoas têm um psiquismo mais frágil, mas não são ‘loucas de pedra’, como se ouve dizer’’, afirma.
O amor nunca acontece em estado puro de harmonia, altruísmo, doação e prazer em relação à pessoa amada. O amor humano vem acompanhado de sentimentos como ciúmes, medo da perda, culpa, raiva e inveja. A pessoa sem recursos emocionais para lidar com estes sentimentos lança mão de algo que os psiquiatras denominam de ‘‘acting out’’, ou seja, ao se ver acometida por um destes sentimentos, reage com uma ação concreta.
Diante do medo da perda, antes que o namorado termine o namoro, a namorada o faz. A namorada começa a andar bem vestida e passa pela cabeça do rapaz que ela tem outro. Qual a reação dele? Arranjar outra. E dessa forma podem ser cometidos atos mais violentos como agressões físicas e homicídios.
‘‘É um determinado momento em que o psiquismo falha. Assim como o corpo de repente pode adoecer’’, explica Eliana Louvison. ‘‘Por isso, nós na ONG (Pais em Paz) trabalhamos muito com a necessidade de cuidar do psiquismo.’’ A pessoa psicologicamente saudável, diante dos sentimentos inerentes ao amor, lança mão de um recurso, que a psicóloga considera maravilhoso: a imaginação, a fantasia. Por exemplo, se o rapaz se vê diante do medo da perda da namorada, ele ‘‘imagina que ela pode terminar a relação, mas também que ele pode encontrar outra namorada.’’
Muitos crimes passionais acontecem também pela indiferença. ‘‘A indiferença pela vida do outro, muitas vezes é causa de crimes violentos. E o uso de drogas é um dos fatores que levam à indiferença’’, afirma a psicóloga. (E.P.)