Obras exigem paciência de motorista curitibano Mauro FrassonAvenida Visconde de Guarapuava é uma das vias mais congestio nadas Giovani Ferreira De Curitiba Nas últimas semanas o motorista curitibano está precisando de muita paciência para trafegar pelas ruas do centro da cidades. As obras de recapeamento asfáltico estão deixando o trânsito lento e congestionado em várias regiões, com destaque para as avenidas que fazem a ligação leste-oeste pelo centro de Curitiba, como a Visconde de Guarapuava e a Sete de Setembro. A Diretoria de Trânsito de Curitiba (Diretran), reconhece o transtorno e diz que ele era previsível e está dentro do esperado. Para evitar o estresse e o cansaço causado pelos congestionamentos, a Diretran está orientando os motoristas para que adotem trajetos alternativos. De acordo com Paulo Malucelli, gerente de Engenharia de Trânsito da Diretran, os problemas são naturais, uma vez que está se reformando uma parte do sistema viário importante da cidade. Na avaliação de Malucelli o motorista está compreensivo e certo de que os pequenos transtornos são necessários para melhorar as condições de tráfego das ruas de Curitiba. Por causa das obras, as empresas de ônibus tiveram que alterar seus horários. Como não existe a possibilidade de mudar o itinerário, eles adequaram os horários aos atrasos causados pelos congestionamentos. No caso dos motoristas de táxi, a solução não é tão simples. Eles podem até mudar o trajeto, chegando mais rápido ao destino por um caminho alternativo ao das obras. O problema, explica o taxista João Luiz Barros, é que o preço da corrida fica maior e aí o passageiro reclama. Outra sugestão da Diretran, é que as pessoas evitem os horários críticos, como no início da manhã, hora do almoço e final de tarde. Quando a saída for inevitável, o melhor a se fazer é informa-se antes de sair de casa onde estão acontecendo as obras.