Mulheres temem sair de casa sem companh ia Depois da série de assassinatos, as mulheres de Tranqueira, em Almirante Tamandaré, foram tomadas pelo medo e somente saem de casa sozinhas em casos de vida ou morte. A falta de segurança tem impedido que elas possam fazer tarefas simples, como visitar amigos e parentes ou aceitar trabalhos que as obriguem a voltar para casa à noite. Talvez por conta desse temor, a maioria absoluta das pessoas presentes ontem à reunião, na igreja da localidade, era de mulheres. Segundo a dona de casa Rosângela Sandri Coutinho, 18 anos, toda a rotina da vila mudou depois das mortes. ‘‘Tem muito bandido aqui. Às vezes desaparece mulheres e depois elas aparecem mortas.’’ Rosângela acredita que está perigoso até mesmo para os homens andar sozinho à noite. ‘‘A violência está demais e pega qualquer um’’, disse. Para ela, um policiamento mais eficiente poderá melhorar a segurança dos moradores. Até que isso ocorra, a dona de casa Edna da Silva, 33 anos, somente andará em Tranqueira acompanha, principalmente à noite. ‘‘Sozinha eu não saio. Deus me livre, nem pensar!’’, exclamou. Edna afirmou que atualmente anda sozinha durante o dia porque é ‘‘obrigada’’. (J.A.)