O Ministério Público Estadual deverá oferecer hoje a denúncia contra o empresário de Araucária (Região Metropolitana de Curitiba), Hissan Hussein, por suposta associação na difusão da venda de tóxicos no Paraná. Ele será incluído – de acordo com as informações prestadas pelo procurador Dartagnan Cadilhe Abilhôa, coordenador da Promotoria de Investigações Criminais (PIC) – no artigo 14 da Lei Penal que trata do Tráfico de Drogas. ‘‘Reunimos um farto material, em colaboração com a CPI Estadual e Nacional do Narcotráfico e agora poderemos fazer um bom trabalho’’, garantiu.
O empresário está preso em Curitiba desde a madrugada do dia 11 de outubro. Esta foi a segunda prisão de Hussein nos últimos sete meses. Ele é considerado um dos principais articuladores da conexão internacional do tráfico de drogas na Região Sul do País e foi reconhecido em audiência por traficantes.
De acordo com os depoimentos, Hissan Hussein usava pistas de pouso clandestinas no interior do Mato Grosso do Sul e do Paraná para fazer o transporte de cocaína. A droga vinha da Colômbia e da Bolívia – segundo a denúncia – e era levada até o Porto de Paranaguá, onde seguia para a Espanha e o Líbano. A rota era conhecida como ‘Conexão Libanesa’.
Em março, Hissan Hussein ficou detido por 60 dias. Havia a suspeita de que ele tivesse ligação com policiais civis acusados de comandar o tráfico de drogas no Paraná. O empresário negou tudo.