MP ameaça interditar presídio de Apucarana Maurício Borges de Apucarana O minipresídio de Apucarana poderá ser interditado nos próximos dias, a pedido do Ministério Público. A iniciativa é do promotor Sérgio Migliari Salomão, justificando que a estrutura do prédio, construído há nove anos, encontra-se em precárias condições, colocando em risco a saúde dos detentos. Ele também argumenta que, devido infiltrações nas paredos e no teto, não está descartada a possibilidade de fugas de presos. Salomão lembra que as deficiências do prédio já foram informadas ao governo do Estado, que até agora não adotou qualquer tipo de providência. ‘‘Agora a situação chegou a um limite crítico e decidimos encaminhar uma solicitação ao Instituto de Criminalística de Londrina, para que proceda uma perícia no local’’, anunciou sexta-feira o representante do Ministério Público. Além da cobertura danificada por vendavais, o promotor Sérgio Migliari Salomão relaciona ainda que o mini-presídio não têm depósito de água e rede de esgoto. Segundo ele, o mau cheiro e a umidade constante tornam o ambiente totalmente insalubre, expondo os presos a riscos de doenças. Atualmente, o prédio abriga 87 presos, sete a mais do que a sua capacidade normal.