O Ministério do Trabalho e Emprego quer reduzir em 40% a taxa de acidentes graves e fatais na construção civil até 2003. Estatísticas da Previdência Social mostram que, em 1999, dos 378.365 acidentes de trabalho registrados no país, 7% ocorreram no setor da construção, incluindo 791 casos de doenças ocupacionais.
Segundo dados da Fundacentro, embora tenham ocorrido avanços em Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, a situação é preocupante, com acidentes fatais provocados por queda de pessoas e materiais.
Em Londrina alguns avanços vêm sendo conquistados nos últimos oito anos através de campanhas de segurança, com a redução na quantidade de acidentes fatais, segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil e Mobiliário de Londrina, Denilson Pestana. Ele afirma que entre 1986 e 1988 morreram 98 operários em trabalho. ‘‘Este ano ainda não foi registrada nenhuma morte na nossa categoria’’.
Nos últimos anos sindicato vem intensificando as campanhas e anualmente realiza no mês de outubro o Mês de Segurança e Saúde do Trabalhador na Construção Civil. Ontem foi realizada a abertura da oitava edição do evento com a realização de uma palestra mostrando um balanço destes oito anos de trabalho.
Pestana afirma que a redução de acidentes fatais – 1999, foram dois; em 1998, nenhum – é sem dúvida a maior conquista, mas outras foram obtidas como a mudança de mentalidade das empresas. ‘‘Antes as empresas cobravam dos trabalhadores os equipamentos, hoje são distribuídos gratuitamente’’, afirma.
‘‘Outro avanço é que as empresas não encaram mais a questão de segurança como um custo, mas como investimento’’, complementa.
O Sindicato das Empresas da Construção Civil (Sinduscon) atua atualmente em conjunto com o sindicato dos trabalhadores nas campanhas de segurança. O presidente do Sinduscon, Clóvis Coelho afirma que as empresas investem em equipamentos e atuam em palestras de conscientização.
O objetivo principal das campanhas, de acordo com Pestana é conscientizar o trabalhador sobre a importância do uso de equipamentos e as empresas sobre a necessidade de fornecer estes equipamentos. Durante todo o mês um veículo equipado com televisão e vídeo e com um técnico da Copel, doado ontem durante a abertura do evento, estará visitando os canteiros de obras e realizando palestras. A meta é que 1.700 operários (Londrina possui cerca de 3 mil) e 41 empresas participem das palestras.