Um garoto de dez anos confessou ter aberto o tanque da Terpasul Construtora de Obras, no dia 7 de setembro, provocando o vazamento de dois mil litros de emulsão asfáltica nos rios Belenzinho e Iguaçu. O menino e outras cinco testemunhas prestaram depoimento no 7º Distrito Policial de Curitiba.
De acordo com o relatório da polícia, ele fazia parte de uma ‘‘gangue’’ que invadiu o pátio da Terpasul para roubar extintores de incêndio. Três pessoas disseram à polícia que viram garotos brincando com extintores no dia do acidente. Outra testemunha contou que os meninos pediram para pular o muro de sua casa, anexa à empresa, porque haviam deixado cair uma pipa no pátio.
Um dia após o acidente, a Terpasul informou, em nota oficial à imprensa, que havia aberto um inquérito policial para investigar a possibilidade de vandalismo. A principal pista foram pichações com pó de extintor feitas no tanque da emulsão e em muros de casas da região.