Uma mancha escura alterou a coloração do Rio Atuba entre terça-feira e a tarde de ontem, em Curitiba. Ela foi causada pelo despejo de efluentes da estação de tratamento de esgoto da Sanepar. A empresa garante que os resíduos não são poluentes. A mancha foi levada pelo Atuba até o Rio Iguaçu, onde os efluentes passaram perto de uma estação de captação de água para consumo no Iguaçu, que fica às margens da BR-277, no bairro Solitude.
Técnicos do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) estiveram no local para colher amostras da água do Atuba. De acordo com a assesoria de imprensa do instituto, a Sanepar só tem autorização para despejar resíduos biológicos no rio. Caso as amostras apresentem a presença de produtos químicos, a Sanepar poderá ser multada. A Sanepar, por meio de sua assessoria, informa que o Atuba é poluído por causa dos esgotos clandestinos em áreas de invasão.
O mau cheiro é frequente devido ao despejo dos resíduos, segundo os moradores. A dona de casa Claudemira Fermino de Oliveira, 20 anos, proibiu o filho de brincar próximo ao Iguaçu. ‘‘Quando o dia está bem quente, fica um cheiro bem forte’’, contou. Claudemira levou um cavalo de propriedade da mãe para pastar próximo a mancha que saída do Atuba. Para evitar que o animal ficasse doente, Claudemira impedia que ele bebesse água do rio.
Apesar da mancha, um grupo de crianças tomava banho num cava aberta às margens do Iguaçu, junto à estação de captação de água. Depois de banhar-se na cava, o estudante José Vargas, 9 anos, ficou olhando a mancha escura do Atuba sendo despejada no Iguaçu. Ele disse que não tinha medo de ficar doente porque o local onde brinca fica do lado oposto por onde a mancha passa. ‘‘Não é todo dia que a gente vem aqui. Só quando está muito quente, mas eu não vou mais tomar banho, porque o meu pai vai morar em outro lugar’’, disse.