Londrina lança no próximo sábado uma nova campanha de conscientização no trânsito. A diferença é que, desta vez, o trabalho será coordenado pela prefeitura e sociedade organizada. Fazem parte desse grupo o Conselho de Trânsito de Londrina, a Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina (IPPUL) e o 5º Batalhão da Polícia Militar.
A primeira etapa vai até o dia 16 de dezembro e o enfoque será a segurança do pedestre. ‘‘Todo motorista também é pedestre. Se ele cruzar essas experiências quando estiver dirigindo com certeza vai melhorar sua conduta no trânsito’’, disse o presidente do Conselho, Edno Costa Moreira.
O avanço do veículo na faixa de pedestre é considerado pelo novo Código Nacional de Trânsito uma infração gravíssima. A pena para quem desrespeitar a lei é a perda de sete pontos na carteira de habilitação e uma multa de 180 UFIRs (Unidades Fiscais de Renda), mais de R$ 191,00.
De acordo com o capitão Sérgio Dalbem, comandante da Companhia de Trânsito (Ciatran) do 5º BPM, outubro foi o mês mais violento do ano em Londrina. Nove pessoas morreram em acidentes: duas por atropelamento, cinco em motocicletas e duas em carros. A campanha começará sábado com uma caminhada entre a sede da Associação Comercial e Industrial de Londrina (ACIL) e a rotatória das avenidas Higienópolis e Juscelino Kubitischek, às 10 horas. A atividade contará com a participação do prefeito Jorge Scaff (PSB), do prefeito eleito Nedson Micheleti (PT), vereadores, escoteiros, o arcebispo dom Albano Cavalin, professores e alunos. A expectativa dos organizadores é que essa comissão de frente atraia aproximadamente mil pessoas.
No final do percurso, policiais militares e agentes de trânsito farão uma blitz educativa que se repetirá durante a semana em outros 10 pontos do centro. O mesmo será feito na região das avenidas Maringá, Saul Elkind, Madre Leônida Milito, Tiradentes, Duque de Caxias e Rua Pernambuco até o Zerão.
A campanha será financiada pelas multas pagas por motoristas conforme definição do artigo 320 do Código de Trânsito. O diretor de trânsito da CMTU, Moysés Cardeal da Costa, disse que a primeira etapa custará cerca de R$ 100 mil em folhetos, adesivos e cartazes. Este valor equivale a menos de 10% da arrecadação em multas que hoje está entre R$ 1,5 milhão e R$ 2 milhões.