‘‘Temos que deixar bem claro que uma associação de bairros deve funcionar como uma Organização Não-Governamental (ONG) para buscar plena qualidade de vida à população das comunidades onde funcionam. Um dos principais fatores para que a associação seja uma ONG é a sua independência e por isto jamais pode ficar atrelada a políticos e muito menos a prefeitos’’. A afirmação é da primeira secretária da Federação das Associação de Moradores do Paraná (Famopar), Leoni do Rosário Silva, que esteve semana passada em Ibiporã dando um curso de gerenciamento para líderes comunitários e presidentes de associações de bairros daquela cidade. Leoni Silva é advogada e tem 15 anos de experiência neste setor. Ela desenvolve seu trabalho em Ponta Grossa, onde reside.
A secretária contou que o grande problema atual das lideranças comunitárias do Paraná é misturar política partidária com política de bairro. Por causa disso ela está fazendo uma jornada por todo o Estado buscando reverter o quadro que somente traz problemas, principalmente para as comunidades carentes que se tornam massa de manobras de políticos mal-intencionados.
Leoni Silva ressaltou que para o líder comunitário gerenciar bem é necessário que tenha conhecimentos básicos de organização. Para isto é necessário capacitar-se. ‘‘Fora o caráter, a ignorância também propicia a venalidade. O líder ou o presidente de associação capacitado, automaticamente é esclarecido e saberá como agir quando convidado a receber propina para apoiar um prefeito ou um partido político.’’
O curso ministrado pela advogada se fundamenta em como criar uma associação de bairro até as alternativas para desenvolvê-la junto a uma comunidade. Em Ibiporã participaram do curso 16 líderes de bairros. No domingo eles receberam os seus respectivos diplomas referente ao curso de Gerenciamento de Associações de Moradores.