O delegado geral da Polícia Civil, Leonyl Ribeiro, classificou como uma armação a apresentação de uma fita com a gravação de um suposto telefonema feito para o presidente do Sindicato da Classe dos Policiais Civis (Sinclapol), Luis Bordenowski, oferecendo dinheiro para que a categoria não entrasse em greve. A fita, ouvida ontem pela reportagem da Folha, tem a voz de um homem oferecendo R$ 100 mil (R$ 50 mil antes e outros R$ 50 mil na segunda-feira) para o sindicalista.
‘‘Você está dando uma de otário, de mártir, defendendo pessoas que nem conhece. Depois, você pode contar com a gente para o que der e vier’’, diz a voz em um dos trechos da fita. A conversa telefônica teria tido quatro testemunhas. ‘‘Tenho certeza de que ele está mentindo. Não tem fundamento. É aquilo que falamos no jogo de futebol. Quem perde no campo, quer ganhar no tapetão’’, declarou Leonyl Ribeiro.
Apesar de não acreditar na veracidade da gravação, o delegado disse que já determinou a instauração de um inquérito policial para apurar o caso. ‘‘Vamos apurar isso e saber exatamente o que aconteceu’’, afirmou. Para o delegado, a greve e a fita apresentada fazem parte de um esquema político com vistas ao segundo turno das eleições. ‘‘Esse elemento está a serviço de alguém. É lógico que é por questões políticas’’, disse ele. (L.P.)