‘‘Já chegou a urinar na
cabeça da minha filha’’
A dona de casa Natalícia da Silva Gonzales, 30 anos, casada há 9 anos com o pedreiro desempregado Cláudio Roberto Gonzales apanhou tanto do marido na madrugada de terça-feira, que seus vizinhos chamaram a polícia. Gonzales foi detido pelos policiais que os levaram à Delegacia da Mulher. Naquele mesmo dia, Natalícia, acompanhada das duas filhas de 3 e 6 anos, compareceu para prestar depoimento.
Natalícia conta que Gonzales é viciado em crack há três anos. ‘‘Ele fuma aquela droga na frente das minhas filhas. Já chegou a ficar pelado e urinar na cabeça da mais nova quando estava alucinado’’, afirma.
A história de vida de Natalícia e suas filhas não se limita a agressão física. Elas passam fome por causa do vício do marido. Quando Gonzales ganha algum ‘‘dinheirinho’’ como guardador de carros (flanelinh), ele gasta seu dinheiro em crack, ao invés de comprar leite para as crianças e comida para a família. Esse foi o motivo da briga, que levou Gonzales para a cadeia.
Natalícia diz convicta que dará prosseguimento ao processo contra o marido, e não pretnede aceitá-lo em casa. ‘‘Não quero mais viver com ele’’, diz decidida. Ontem Gonzales foi liberado da cadeia, mas não está livre do processo que Natalícia já está movendo contra ele. ‘‘Mesmo que ele apareça lá em casa querendo me matar, eu prefiro morrer que viver sofrendo’’. (E.W.)