|
  • Bitcoin 102.471
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

CIDADES

m de leitura Atualizado em 12/06/2022, 19:17

Indígenas realizam vestibular em seis polos no Paraná

Este ano são 780 candidatos disputando vagas nas sete universidades estaduais e na Universidade Federal do Paraná

PUBLICAÇÃO
domingo, 12 de junho de 2022

Vítor Ogawa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Dezenas de candidatos estão disputando vagas nos cursos de graduação pelo 21º Vestibular dos Povos Indígenas no Paraná. As provas foram realizadas no domingo (12) e terão continuidade nesta segunda-feira (13). Este ano o processo seletivo foi organizado pela Unespar (Universidade Estadual do Paraná) e as provas são realizadas simultaneamente em seis polos do Estado.

Segundo o técnico da UEL (Universidade Estadual de Londrina), Everson Antônio Moura Casarim, da organização do vestibular, há a participação também de indígenas de outros estados. “Serão selecionados seis estudantes para cada uma das universidades estaduais e na UFPR (Universidade Federal do Paraná) são dez vagas. Os candidatos de outros estados concorrem somente para as vagas da UFPR”, explicou. 

Neste domingo, cerca de 170 candidatos realizaram a prova oral no Ceca, na UEL. Neste domingo, cerca de 170 candidatos realizaram a prova oral no Ceca, na UEL.
Neste domingo, cerca de 170 candidatos realizaram a prova oral no Ceca, na UEL. |  Foto: Vítor Ogawa - Grupo Folha

“A UEL é um dos polos e temos uma previsão da participação de 172 candidatos no Ceca a UEL também é responsável por um polo em Tamarana, com 91 candidatos.” Casarim explicou que o primeiro vestibular para esse público foi realizado em 2002 para o ano letivo de 2003. “Naquela época participavam a UEL, UEM (Universidade Estadual de Maringá) e UEPG (Universidade Estadual de Ponta Grossa). Depois foram entrando as outras universidades estaduais. A cada ano o número de candidatos tem aumentado. No ano passado tivemos 555 candidatos no Paraná todo. Para este ano foram 780 candidatos. A procura deles está aumentando a cada ano.”

Também participam as universidades do Oeste do Paraná (Unioeste), do Centro-Oeste (Unicentro) e do Norte do Paraná (Uenp). Além da Unespar, esta edição é coordenada em parceria com a Cuia (Comissão Universidade para os Povos Indígenas) e a Seti (Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior).

PROVAS ORAIS

Neste domingo foram realizadas as provas orais. Um dos candidatos é Janderson Aparecido Gabriel Matias, 28, que veio da Terra Indígena Pinhalzinho, do município de Guapirama (Norte Pioneiro). Ele está pleiteando uma vaga para o curso de jornalismo. “A prova oral não foi difícil. Foi para comentar uma reportagem em vídeo, de uma entrevista de uma pessoa explicando sobre o que é ser indígena hoje, e tínhamos que dar a nossa opinião", disse. Ele citou algumas questões da reserva em que reside e discorreu sobre as lutas que povos indígenas enfrentam. “Eu comentei sobre a autorização do garimpo em terras indígenas e como perderíamos os direitos sobre algo que é nosso e o governo daria para outros de mão beijada. Temos perdido muitos direitos nos últimos anos. Os outros nos qualificam como bobos, mas isso não é real. A gente corre atrás de nossos direitos”, declarou.

Camila Eduarda Matias Gabriel, 21, também veio de Pinhalzinho e está prestando para Odontologia. “Eu fui mais ou menos na prova, não sei se vou passar. Esta já é a terceira vez que tento.” Ela reforçou que o vestibular indígena é importante para proporcionar uma qualidade de vida melhor. "Meu pai fez este vestibular indígena anos atrás e se formou em Medicina Veterinária. Hoje ele tem uma agropecuária”, destacou.

Inaiê Rayssa da Rocha, 18, está prestando o vestibular para Medicina Veterinária. “Eu escolhi esse curso porque eu me sinto bem fazendo isso. Quando eu me formar quero atuar em fisioterapia de animais." Ela ressaltou que a aprovação nesse processo seletivo pode mudar a sua vida na questão financeira. "Minha mãe fez esse vestibular indígena e se formou em Pedagogia na Uenp (Universidade do Norte do Paraná). Ela concluiu o curso em 2015. Eu vi que a graduação dela mudou bastante a sua vida, tanto em relação à saúde quanto à questão financeira. Ela conseguiu um emprego e isso ajudou bastante, pois somos cinco pessoas em casa.” 

QUESTÕES OBJETIVAS

Nesta segunda-feira (13) será prova de Conhecimentos Gerais, com questões objetivas, e Redação, das 13h30 às 18h30.
O resultado final dos aprovados no 21º Vestibular dos Povos Indígenas no Paraná, será divulgado no dia 7 de julho no site unespar.edu.br/xxi-vestibular-indigena. Quanto às matrículas, os candidatos devem estar atentos ao site da Universidade para a qual se inscreveu e conferir os editais de chamamento específicos, com data, local e horário para esse fim.

***

Receba nossas notícias direto no seu celular. Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.