Maringá - O distrito de Tereza Cristina tem 1.700 moradores e fica a 60 quilômetros de sua sede, o município de Cândido de Abreu (Centro). O lugar já foi chamado de "terra da imperatriz". A mulher do imperador dom Pedro 2º nunca esteve lá, mas o médico francês Jean-Maurice Faivre, amigo do casal real, a homenageou dando o nome da imperatriz à localidade.

Imagem ilustrativa da imagem Imperatriz do Brasil dá nome a distrito no Paraná que abrigou franceses
| Foto: Prefeitura de Cândido de Abreu - Divulgação

Faivre conheceu o Brasil em 1826. Planejava criar uma comunidade sem exploração do homem pelo homem, onde todos pudessem cultivar a terra apenas para a subsistência.

Faivre se inspirou no socialismo utópico, que idealizava uma sociedade ideal. Leitor de Saint Simon, Proudhon e Fourier. Adepto do positivismo de Auguste Comte e admirador da Utopia, de Thomas More.

Em 17 de fevereiro de 1847, um navio partiu da Bélgica e aportou em Antonina (Litoral do Paraná). A bordo, além do comandante, estavam Faivre e 63 pessoas, entre adultos e crianças.

No lombo de mulas e burros, cortaram a Serra do Mar, chegando a Ponta Grossa (Campos Gerais). Percorreram em torno de 300 quilômetros até as margens do rio Ivaí, onde fundaram, naquele ano, a Colônia Agrícola Tereza Cristina.

Segundo o historiador Josué Corrêa Fernandes, autor de “Saga da Esperança”, livro que narra a trajetória de Faivre e a construção da Colônia Tereza Cristina, o médico desfez de todos seus bens e com ajuda da imperatriz Tereza Cristina concretizou seu intento.

No livro, ele cita que a colônia abrigava 25 famílias francesas em lotes de cerca de seis alqueires paulistas. Entre os municípios de Cândido de Abreu e Prudentópolis.

Cultivavam café, milho, baunilha, algodão, trigo, feijão, mandioca e cana-de-açúcar. Um modelo de agricultura precursor do cooperativismo paranaense. Apesar da madeira abundante, as casas eram de tijolos e telhas fabricados com barro das margens do rio Ivaí.

Imagem ilustrativa da imagem Imperatriz do Brasil dá nome a distrito no Paraná que abrigou franceses
| Foto: Prefeitura de Cândido de Abreu - Divulgação

DISSERTAÇÃO DA UNESPAR

Os motivos de a colônia ter fracassado e chegado ao fim em 1892 são analisados na dissertação de pela Unespar (Universidade Estadual do Paraná) do historiador e professor Roberto Aparecido de Oliveira, 47. Para ele, alguns fatores contribuíram. Primeiro, a morte de Faivre, em 1858, culminando com a decadência do Império, que previa lugares estratégicos de povoação.

"A política internacional mudou, e o Brasil seguiu uma nova tática de povoamento", afirma. Uma estrada entre Tereza Cristina e Guarapuava foi abandonada, prejudicando o comércio com aquele município, que era uma das principais fontes de renda da colônia.

O professor cita também a Lei de Terras, instituída no Brasil, em 1850. As propriedades ganharam valor monetário, estimulando o latifúndio e a ação de grileiros. Mas ele afirma que ao menos o sonho de Faivre deve ser preservado.

"Carecemos de um projeto de preservação do local, com visitas guiadas de estudantes e mesmo de quem quer apreciar a natureza".

Embaixo de alguma frondosa árvore nativa que existe por lá podem estar os restos mortais de Faivre, cujo corpo foi enterrado em lugar incerto na antiga colônia.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1