|
  • Bitcoin 121.004
  • Dólar 5,2124
  • Euro 5,3338
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 23/08/2021, 16:25

Ibiporã deverá ter a primeira escola bilíngue municipal do Paraná

UEL e prefeitura assinam termo para o desenvolvimento do projeto; previsão é que o ensino integrado português/inglês comece em fevereiro de 2022

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 20 de agosto de 2021

Reportagem local
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Ibiporã, na Região Metropolitana de Londrina, deve ser a primeira do Paraná a ter uma escola bilíngue (português/inglês) em sua rede municipal. A Fauel (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Estadual de Londrina) e a Prefeitura Municipal oficializaram a parceria para esse objetivo, com assinatura do termo de fomento.  A escola municipal selecionada para desenvolvimento do projeto contará com ensino integrado português/inglês, abrangendo toda a comunidade escolar, desde equipe administrativa, recepção, auxiliares de cozinha e limpeza. De acordo com o secretário de Educação de Ibiporã, Antonio Prata Neto, esta ação irá desenvolver uma maior imersão do aluno, proporcionando o aprendizado natural de ambos os idiomas, em todos os conteúdos ministrados.

Imagem ilustrativa da imagem Ibiporã deverá ter a primeira escola bilíngue municipal do Paraná Imagem ilustrativa da imagem Ibiporã deverá ter a primeira escola bilíngue municipal do Paraná
|  Foto: iStock
 

A prefeitura realizará um investimento de R$ 250 mil. De acordo com o secretário de Educação, os professores da rede municipal passarão primeiramente por uma formação de 150 horas, teóricas e práticas, para alcançar a proficiência necessária.

O trabalho será realizado por uma equipe da UEL, coordenada pelas professoras Michele Salles El Kadri (Departamento de Letras Estrangeiras Modernas) e Vivian Saviolli, mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação da UEL. Com mais três outros professores e estudantes do programa, elas darão consultoria à secretaria de Ibiporã, o que inclui a elaboração do projeto político pedagógico, produção de material didático, formação docente específica, desenvolvimento do currículo integrado e acompanhamento contínuo.

FASE DE ALFABETIZAÇÃO 

A previsão é de que no primeiro ano de projeto sejam contemplados 50 professores e até 250 alunos, mas toda a comunidade escolar, desde equipe administrativa, recepção, auxiliares de cozinha e limpeza, participará da formação bilíngue. Outro diferencial é que não serão beneficiados pelo projeto apenas alunos em fase de alfabetização, mas turmas do Berçário (I e II), Maternal, Pré-Escola (I e II), 1º e 2º anos.

O secretário de Educação informa que no Ensino Fundamental a  disciplina não é obrigatória, mas é oferecida em todas as escolas municipais com carga de duas horas semanais. Ele conta que o interesse já é grande. Membros da comunidade já estão reivindicando a escola perto de suas moradias e já existem 70 professores pré-inscritos. “Agora, podemos trazer um método inovador e caro e garantir igualdade de oportunidades. A ideia é que teremos uma geração bilíngue em dez anos”, destaca o professor.

IMERSÃO NA SEGUNDA LÍNGUA

A professora Michele El Kadri observa que, de acordo com a legislação, uma escola só pode ser considerada bilíngue se de 30% a 50% do conteúdo for ministrado no idioma estrangeiro. Ou seja, não são mais aulas de inglês, mas se trata de uma imersão precoce na segunda língua. “As crianças vão brincar, vão ouvir música, vão lanchar, tudo em inglês”, comenta a educadora.

Quanto à escola que oferecerá o ensino bilíngue, o secretário informa que ainda não está definida, e que tanto os professores, quanto a Fauel e a comunidade serão consultadas. A previsão é de que as aulas no modelo bilíngue comecem em fevereiro de 2022. (Com informações da Agência UEL e Prefeitura de Ibiporã)

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1