Sid Sauer
De Campo Mourão
O Hospital e Maternidade São José, de Campo Mourão, vai deixar de atender pelo Sistema Únido de Saúde (SUS) a partir de 2 de abril. ‘‘Lamentamos muito, mas o que o SUS paga não está sendo suficiente’’, anunciou ontem um dos diretores do estabelecimento, Heráclito de Melo Nogueira. O estabelecimento faz, em média, 150 partos por mês, o que representa 85% dos partos realizados em Campo Mourão. Os outros 15% ficam com a Policlínica São Marcos, que faz mensalmente cerca de 25 partos pelo SUS.
Nogueira disse que o hospital mantém um ‘‘padrão de alto nível’’ de atendimento e que vem bancando, há vários anos, o custo de pacientes internados pelo SUS. ‘‘Cada paciente nos deixa um prejuízo e obriga o hospital a recorrer a empréstimos’’, explicou. De acordo com ele, o descredenciamento foi comunicado no início do mês à Secretaria Municipal de Saúde para que ela buscasse alternativas de atendimento à população.
Segundo o diretor do hospital, o SUS paga atualmente cerca de R$ 220,00 por cesariana e R$ 100,00 por parto normal. ‘‘O valor teria que ser pelo menos duas vezes maior para que o hospital não tivesse prejuízos’’, disse. Nogueira afirmou que está fazendo um levantamento para ver qual é o custo exato de uma paciente do Sistema Único de Saúde. ‘‘Pedimos a compreensão da população, mas não tínhamos outro caminho’’.
A secretária municipal da Saúde, Rosemeire do Carmo Martelo, disse ontem que o hospital já recusou uma primeira contraproposta da prefeitura, mas ela mantém a esperança que possa haver uma negociação. ‘‘A solução definitiva nós só iremos ter com a conclusão da nova Santa Casa’’, disse. As obras do hospital, que ficaram paralisadas por mais de dois anos, foram reiniciadas no ano passado e podem ficar prontas no segundo semestre.
Rosemeire disse, no entanto, que a população não deve se desesperar. ‘‘A saída do São José vai abalar nosso sistema, mas ninguém de Campo Mourão ficará sem atendimento’’, frisou. Ela disse que a partir do dia 2 de abril as gestantes deverão procurar o Posto de Saúde 24 Horas, que vai ficar responsável por encaminhar o atendimento. O assunto será discutido na próxima terça-feira pelo Conselho Municipal de Saúde.