O governo do Paraguai quer uma extensão da Universidade Estadual de Maringá (UEM) naquele país. Seria a primeira instituição de ensino superior brasileira a ter uma extensão em algum país do Mercosul. O assessor internacional da gobernación, Departamento de Canindeyú, em Saldo del Guairá, Jorge Ortiz Finger, está em Maringá, onde se reuniu anteontem com o vice-reitor da UEM José Previdelli.
Finger mostrou o potencial econômico da região e as dificuldades enfrentadas pelos cerca de 150 mil moradores da área. Apesar de pertencerem a outro país, argumenta o assessor, as famílias dependem basicamente de tudo do Brasil.
O governo do Paraguai oferece toda a infra-estrutura econômica e física para uma extensão da UEM, que segundo Finger pode ser de extrema importância para o desenvolvimento da região. Previdelli acha que a universidade presente no Paraguai seria um importante passo para a integração do bloco econômico na área da educação e social.
O maior interesse do governo paraguaio seria a implantação de cursos da área de ciências agrárias, já que a região é agrícola. O vice-reitor da UEM prometeu levar adiante a idéia e lutar para viabilizar a proposta.