IMPASSE
Governo e APP não chegam a acordo
Associados ao Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP) podem entrar em greve ou reduzir a jornada de trabalho na próxima semana. A decisão será tomada durante uma assembléia, em Londrina, agendada para este sábado. A idéia é pressionar o governo para que servidores da Educação tenham o valor de seus vales-refeição aumentado de R$ 30,00 para R$ 60,00.
A proposta foi feita, sem sucesso, ontem pela manhã, numa reunião entre representantes da APP, da Secretaria de Estado da Administração e o chefe da Casa Civil, Pretextato Taborda. O presidente do sindicato, Romeu Gomes Miranda, conta que chegou a levantar a questão do reajuste salarial dos funcionários de escola em 41%, de acordo com a inflação registrada nos últimos quatro anos. ‘‘Não chegamos a tocar nesta questão, até porque eles sabem que o Estado não teria receita’’, contesta Taborda.
As negociações começaram na terça-feira, com apenas uma conquista por enquanto: os servidores de colégios públicos que ganham até três salários mínimos terão direito a receber vales-transporte, em dinheiro, assim que o governador sancionar o projeto. Miranda lembra que já existe uma lei estadual determinando que servidores públicos que gastam mais que 6% do salário em ônibus ganhem vale-transporte. ‘‘Essa lei é de 94, e nunca foi cumprida’’, aponta. ‘‘Portanto, isso era o mínimo que esperávamos conseguir na reunião.’’
Ele calcula o reajuste salarial, junto com os outros benefícios, representariam um aumento de 0,6% na folha de pagamento do Estado. ‘‘O fato é que a APP tem números diferentes dos nossos. Eles dizem que a participação da receita do Estado na folha é de apenas 57%. Só que, nos nossos dados, esse valor chega a ultrapassar os 70%’’, argumenta Taborda. Segundo ele, o reajuste está fora de discussão, mas ainda existe a possibilidade do aumento do valor dos vales-refeição. Esse assunto será discutido na próxima quarta-feira, quando haverá um terceiro encontro. (M.M.)