TRANSPORTE PÚBLICO -

Funcionários da TCGL recebem metade do salário e sindicato não descarta paralisação

Empresa alega que teve forte queda na receita, o que impossibilitou pagamento integral

Pedro Marconi - Grupo Folha
Pedro Marconi - Grupo Folha

 

TCGL é responsável por 65% do transporte público urbano
TCGL é responsável por 65% do transporte público urbano | Marcos Zanutto/24-07-19
 


Os funcionários da TCGL (Transportes Coletivos Grande Londrina) receberam apenas metade do salário referente ao mês de dezembro nesta quinta-feira (7), quinto dia útil do mês e data limite para o pagamento. De acordo com João Batista, presidente do Sinttrol (Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Londrina), o sindicato foi comunicado na quarta-feira (6) sobre a decisão.  


“A diretoria avisou, por telefone, que iria pagar somente uma parte. Foi algo verbal, nada por escrito. Pediram a compreensão do sindicato. Alegaram que não tem fluxo de caixa, estão num mês ruim para arrecadação e que não tinham recursos para quitar integralmente o salário de dezembro”, afirmou. 


Batista apontou que a empresa se comprometeu a liquidar o valor restante no início da semana que vem. Os funcionários têm mostrado descontentamento pelas redes sociais e, por enquanto, não há sinalização para protesto ou paralisação do transporte coletivo. “A empresa diz que está com dificuldades, período de pandemia de coronavírus, ameaça de tudo quanto é jeito. A reação do trabalhador é imprevisível. Se não pagarem até segunda (11) ou terça-feira (12) acredito que possa ter alguma paralisação."


O presidente do Sinttrol também relatou que problemas com pagamentos estão acontecendo desde o ano passado. A TCGL não teria acertado as parcelas do PPR (Programa de Participação de Resultados) de 2020 e atrasado o salário de novembro. Em outubro, os trabalhadores chegaram a paralisar os serviços pela falta de remuneração. “O empresário brasileiro não socializa os lucros, mas socializa o prejuízo. Quem paga a conta é o trabalhador. Diminui o faturamento, mas é o funcionário que tem que continuar trabalhando por menos”, criticou. 


QUEDA NO MOVIMENTO

Por meio de nota, a Transportes Coletivos Grande Londrina argumentou que “devido à drástica queda no movimento de passageiros, que é fonte de receita, ocorreu um desajuste no fluxo de caixa, impossibilitando o pagamento integral”. A empresa disse ainda que está “empreendendo todos os esforços possíveis para resolver a situação com o máximo de rapidez”. A TCGL é responsável por 65% do serviço público de transporte urbano londrinense. O Sinttrol informou que não existem contratempos em relação à Londrisul.


A CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização) disse por meio de sua assessoria de imprensa que não irá se manifestar. Tradicional em toda a virada de ano, a atualização do valor da passagem ainda não foi divulgada e o município, até o momento, não deu sinalização de que isso deve ocorrer. O preço atual da tarifa é R$ 4,25.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo