Falta de água
também prejudica
praias artificiais
Mesmo que estivessem em pleno funcionamento, as bases náuticas do Lago de Itaipu teriam pouca utilidade para a prática de esportes náuticos neste verão. O reservatório da hidrelétrica está cerca de quatro metros abaixo de seu nível normal, o que impossibilita o tráfego de embarcações nas margens do lago.
A diminuição do volume de água é consequência de uma operação iniciada em novembro para aumentar a produção da hidrelétrica em 12% e socorrer outras usinas do sistema nacional integrado. Na prática, a medida impediu o acesso às bases náuticas e prejudicou a visitação às oito praias artificiais do lago.
Nesta temporada, eram esperados cerca de 500 mil banhistas nas praias – entre turistas e moradores da região. Segundo cálculos das prefeituras, o movimento não chegará a 150 mil visitantes – 30% da previsão inicial.
Os comerciantes já calculam os prejuízos. ‘‘No ano passado, eu servia 30 refeições por dia. Neste ano, quando sirvo dez é porque o movimento está bom’’, compara o Ari Weis, 34 anos, dono do restaurante Beira Praia, na praia de Santa Helena, a mais bem estruturada do lago. (V.D.)