SEGURANÇA -

Estratégias de segurança minimizam furtos de cabos

Sercomtel Telecomunicações adota ação conjunta para inibir crimes. Em 2019, número de casos teve queda de 57% em comparação a 2018

Laís Taine - Grupo Folha
Laís Taine - Grupo Folha

Na manhã desta quinta-feira (16), dirigentes da Sercomtel Telecomunicações reuniram-se com representantes de órgãos de segurança para apresentar resultados das estratégias para inibir furtos de cabos adotadas em 2019. Em 2018, a empresa registrou um aumento de 75% do número de casos em relação ao ano anterior, chegando a 437 furtos e prejuízo anual de R$ 1.296.705. Com isso, foram elaboradas ações conjuntas com órgãos de fiscalização e em 2019 o prejuízo caiu pela metade.


Estratégias de segurança minimizam furtos de cabos
Anderson Coelho - 11-01-2019
 


De acordo com Tiago Caetano, diretor de engenharia e operações da Sercomtel, foi preciso unir forças para que os crimes fossem combatidos. “Fizemos reuniões constantes com órgãos de segurança, como Polícia Militar, Polícia Civil, Guarda Municipal e Secretaria Estadual de Segurança Pública e, dentro da própria Sercomtel adotamos métodos em nossa central de monitoramentos para que saibamos em tempo real a localização dos furtos e avisar a PM o mais rápido possível”, explica. 




Quando um cabo é cortado, há um alarme na central avisando a localização, assim, é possível comunicar os órgãos competentes para irem até o ponto do crime. Dessa forma, a média de furtos mensal caiu de 36 em 2018 para 15 em 2019. Os meses com mais incidência são do início do ano: janeiro, fevereiro e março. Das quatro estações mais afetadas, três estão na zona oeste, no bairro Tucanos, jardim Leonor e jardim Santiago. 


Em 2019, o levantamento da área de Implantação e Manutenção da Sercomtel Telecomunicações apontou 188 casos de furtos e prejuízo de R$ 636.846, índice que diminuiu muito em comparação a 2018, que teve 437 casos e R$ 1.296.705 em prejuízo. “Nós começamos o ano de 2019 com índice muito alto nos primeiros três meses e, fazendo um levantamento, se continuasse ao longo do ano, terminaríamos com aproximadamente R$ 3 milhões em prejuízo. Então as ações surtiram efeito”, revela o diretor. Nos meses de outubro, novembro e dezembro, oito casos foram apontados, enquanto janeiro e fevereiro somaram 90. 


Para o delegado do setor de furtos e roubos da 12º SDP (Subdivisão Policial), Willian Douglas Soares, diversas ações foram realizadas, mas destaca a apreensão de um caminhão carregado de sucata de cobre na região de Bandeirantes (Norte Pioneiro). “Dentro do material foram identificados fios e cabos telefônicos, que ensejou o indiciamento do responsável e isso foi até pedagógico, poque a partir dessa apreensão houve uma redução bastante significativa revelada nas reuniões seguintes”, revela. O furto qualificado tem pena de dois a oito anos de prisão e para o receptador que expõe à venda ou venda o material furtado na atividade comercial, é indiciado por receptação qualificada, cuja pena é de três a oito anos de prisão. 


Nesse aspecto, o presidente da Sercomtel, Cláudio Tedeschi, aponta o trabalho da Receita Estadual. “A gente conectou todas as polícias, mas também a Receita Estadual, porque o grande problema está no receptador e eles são poucos e, normalmente, conhecidos. Só que eles têm uma artimanha não só contábil de conseguir fazer com que isso seja maquiado, o que faz com que se tenha dificuldade enorme de autuá-los”, afirma. 


Tedeschi explica que os furtos não geram apenas prejuízo para a empresa, mas tem também seus efeitos sociais. “O reflexo disso não só em questão de serviços da Sercomtel, mas também atinge unidades de saúde, educação, que dependem totalmente desse serviço”, aponta. 


Em 2020, pretende-se continuar com as reuniões estratégias com os órgãos de segurança pública no trabalho conjunto de defesa. “Nossos números começaram a cair graças ao conjunto de ações que a gente pretende continuar para minimizar ou até zerar no ano de 2020”, afirma Caetano. 


SERCOMTEL ILUMINAÇÃO
Os cabos da Sercomtel Iluminação também sofrem com as ações dos criminosos. Dados gerais da empresa apontam que em 2019 foram nove furtos, totalizando um prejuízo de R$ 30 mil, entre fiação, quebras de materiais, e custo da mão de obra para a reposição. As regiões mais afetadas foram Bosque Central e Lago Igapó II.


A empresa também aponta que, com o projeto de modernização do Lago Igapó II, em que foram instaladas lâmpadas de LED e trocada a fiação, os furtos de fios e atos de vandalismo serão minimizados. Todos os furtos também foram informados aos órgãos de segurança competente.


Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Continue lendo


Últimas notícias