Rubens Burigo Neto
De Curitiba
O diretor-administrativo da Secretaria de Estado da Saúde, Aldery Silveira Jr., iria tentar até o início da noite de ontem contratar, em caráter emergencial, uma empresa para substituir a Limptec, que presta serviços de limpeza e conservação em todas as unidades da secretaria no Paraná.
No meio da tarde de ontem um diretor da Limptec comunicou por fax (o documento tinha assinatura, mas não a identificava) que a empresa iria romper o contrato com a secretaria e que estava em estado de insolvência.
‘‘Nossa exigência é que a empresa que vamos contratar absorva os 450 funcionários da Limptec’’, garantiu Silveira, em Curitiba. Ele informou que a Limptec – que tem sede em Maringá e recebia R$ 263 mil por mês – prestava serviços à secretaria desde 1996. No final do ano passado, no entanto, começaram os problemas trabalhistas.
‘‘Até sexta-feira da semana passada nos reuníamos semanalmente para tentar chegar a um acordo para o pagamento de salários e 13º atrasados’’, revelou. Segundo Silveira, a secretaria estava ciente dos problemas da Limptec e, por isso, reduziu de 12 meses para 6 meses a renovação do contrato com a empresa para que, assim, pudesse fazer uma nova licitação.
O presidente do Sindicato dos Empregados em Empresas de Asseio e Conservação (Siemaco), Manassés Oliveira, contou que esteve na sede da Limptec em Curitiba por volta das 14h30, conseguiu entrar no escritório e verificou que equipamentos e móveis haviam sido retirados do local.
Manassés disse que a Limptec vem atrasando salários, vales-transporte e tíquetes-refeição desde outubro do ano passado. Ele disse que ontem não conseguiu falar com um dos donos da empresa, de nome Marcos (não soube informar o sobrenome).
A reportagem da Folha também esteve no escritório (na Travessa Ermelino de Leão nº 458) às 16h45 e não foi atendida por ninguém. Dois funcionários, que não quiseram ser identificados, contaram que quando saíram da empresa para trabalhar, às 8 horas, o expediente era normal.
‘‘Voltamos às 16 horas para entregarmos as motos e só encontramos algumas mulheres aqui em frente tentando receber salários atrasados’’, contou um deles.
Em Londrina, os funcionários da Limptec paralisaram as atividades anteontem, atingindo a sede da 17ª Regional de Saúde.
Eles alegaram que não receberam nem mesmo os salários de novembro, 13º salário, passes de ônibus e tíquete-refeição, como estipulava o contrato. Pelos mesmos motivos, também paralisaram as atividades, ontem, os seis funcionários da empresa que prestavam serviços no Hospital da Zona Norte.
A chefia da 17ª Regional de Saúde só soube ontem, através de um fax enviado pela Secretaria de Saúde, que a Limptec havia cancelado o contrato. Até anteontem à tarde, a regional tentava contato com os responsáveis pela empresa, sem sucesso. Os órgãos não divulgaram como pretendem substituir o trabalho de limpeza.(Colaborou Paulo Ubiratan, de Londrina).Empresa contratada por secretaria da Saúde fechou deixando funcionários em greve em várias cidades e órgãos públicos sem serviço de limpeza
José SuassunaPORTAS FECHADASSede da Limptec, em Curitiba: empresa havia retirado todos os móveis na tarde de ontem