Especialista defende criação de novos métodos de ensino Mauro FrassonOscar Motomura diz que professores devem pensar em melhorar a formação das crianças Maigue Gueths De Curitiba O especialista em estratégia Oscar Motomura conseguiu uma verdadeira façanha, ontem. Em palestra a quase 8 mil professores, funcionários e diretores das escolas rede municipal de ensino, falou sobre a necessidade de se reinventar métodos de educação, ressaltando que mais importante do que a qualificação profissional é a postura dos educadores, que devem ter um interesse genuíno pelas crianças. A formação e requalificação é reivindicação constante da categoria. Mesmo assim, Motomura falou por quatro horas para uma platéia atenta, arrancou aplausos e elogios dos que vieram cumprimentá-lo no final. Para Motomura, que também é mestre em Psicologia Social pela USP, os professores têm que pensar em melhorar a formação das crianças, mudando o enfoque do ensino, sob risco da juventude ‘‘perder o bonde’’ para um futuro bastante diferente dos dias de hoje. Respondendo ao questionamento de como fazer isto numa situação de poucos recursos financeiros para a educação, citou exemplos alternativos desenvolvidos em várias partes do mundo. A maioria envolve a comunidade, pais e alunos em projetos que discutem a história da comunidade, seus problemas e soluções. A palestra do estrategista, que também é diretor da Amana-Key, empresa que atua no desenvolvimento de líderes, faz parte da Semana de Estudos Pedagógicos, promovida pela Secretaria Municipal da Educação, cujo tema este ano é ‘‘Reflexões para o Futuro’’. No primeiro dia, o sociólogo italiano Domenico de Masi falou sobre a necessidade dos países em desenvolvimento investirem mais em educação como forma de redistribuir o trabalho, a riqueza, o poder e o saber. Motomura falou sobre aspectos mais simples. Para ele, além da alta tecnologia, outro ponto importante no futuro da educação é o alto contato humano. ‘‘Os professores têm que aprender a tirar vantagem da tecnologia e aproveitar o tempo que o computador lhes dá investindo em coisas mais nobres na área humana, como a formação de caráter, ensino de valores, fazer com que as pessoas aprendam a viver melhor’’, disse. Um meio de atuar mais próximo às crianças, para ele, é através da presença do professor no pátio da escola, na hora do recreio, momento em que mais ocorrem desentendimentos entre os alunos. Ele chama esse processo de ensino das competências duráveis, ou seja, ‘‘coisas que as crianças não vão esquecer jamais, como aprender a pensar, a se relacionar.’’ ‘‘Ele é um pesquisador do futuro, um inovador no trabalho, que não se limita a métodos e técnicas, mas sim aos valores das pessoas’’, elogiou o secretário Municipal da Educação, Paulo Afonso Schmidt. Para as professoras de educação artística Rocemeri Ferreira dos Santos e de literatura Sueli Muraro da Rocha, a palestra de Motomura teve interesse ainda maior. Ambas participam do projeto ‘‘Educar para o Pensar’’, que introduziu o ensino da filosofia nas disciplinas para alunos do pré a quarta-séries na escola Vinhedos em Santa Felicidade.