O Colégio Estadual Júlia Wanderley, no bairro do Batel, área nobre de Curitiba, resolveu adotar um método diferente para o ensino de conceitos básicos de física, química e biologia. As matérias expostas em salas de aula são aplicadas num curso de cozinha experimental e panificação. Atualmente, 970 alunos do Ensino Médio e Fundamental fazem o curso, que começou há dois anos e dois meses.
Durante as aulas práticas, eles estudam a análise de materiais, cálculo de tempo, proporção e reações químicas na hora de se preparar os ingredientes, fazer a massa e assar os quitutes. ‘‘É um projeto interdisciplinar, que tem como meta auxiliar no aprendizado das crianças e adolescentes. Não temos a intenção de formar padeiros’’, declarou a professora Sabrina de Albuquerque Schulhan, engenheira de alimentos e coordenadora do Laboratório de Panificação e Cozinha Experimental.
A diretora do colégio, Sonia Salette Borges da Silva, disse que tem percebido que o interesse dos alunos pela aprendizagem da panificação é crescente. ‘‘Hoje quando falamos nas aulas de panificação, os alunos vibram. Eles querem fazer biscoitos e pizzas. Querem ver transformada a teoria da sala de aula em prática’’, detalhou. Nas aulas, os estudantes aprendem noções básicas de panificação, qualidade total e higiene. Ao todo são três orientadores pagos pela Secretaria de Estado da Educação. São dois engenheiros de alimentos e umanutricionista.
O projeto tem parceria com a própria comunidade e com empresários, que fornecem desde a matéria-prima (farinha, açúcar, chocolate) até as máquinas específicas para panificação. ‘‘Todos os equipamentos foram doados em comodato para a escola. Temos direito de usar as máquinas enquanto o projeto estiver em plena atividade’’, contou a diretora. Ao todo, são 12 empresas envolvidas no projeto.
O laboratório foi inaugurado em junho do ano passado e contou com um investimento de R$ 270 mil. A iniciativa é inédita no País. ‘‘Existem outras padarias em instituições de ensino, mas nenhuma tem a mesma finalidade do que a nossa’’, disse Aidyl Pessoa de Mello, supervisora.