|
  • Bitcoin 149.824
  • Dólar 4,9391
  • Euro 5,2057
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 18/03/2022, 07:30

Empresa de Goiás vence licitação e fará a coleta do lixo em Londrina

Novo edital tem valor de R$ 18,6 milhões e com duração de um ano; vencedora do processo é investigada pelo MP goiano

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 17 de março de 2022

Vítor Ogawa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Divulgação CMTU
menu flutuante

A Prefeitura de Londrina definiu a nova empresa que vai cuidar do serviço de coleta de lixo na área urbana, distritos, patrimônios e vilas rurais da cidade. A Sistemma Assessoria e Construções Ltda, de Anápolis (GO), saiu vitoriosa do pregão presencial realizado pela CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização) no começo de março. O atual contrato, operado pela Kurica Ambiental desde 2017, vence no dia 24 de março.

Com o valor final de R$ 141,55 por tonelada de resíduo coletada, a Sistemma ofereceu o menor preço dentre as outras seis entidades que participaram da concorrência, cujo maior lance ficou em R$ 158,03. No contrato atual, a empresa Kurica Ambiental recebe o valor de R$ 150,23 por tonelada.

A licitação estabeleceu que o dimensionamento para a execução da operação projetada para o recolhimento de até 11 mil toneladas/mês - (500 toneladas/mês a mais que o contrato atual) - teria o montante máximo unitário de R$ 149,03 para cada mil quilos de lixo retirado das residências.

Com o recebimento da menor oferta, a quantia investida pelo município no serviço, que poderia chegar a R$ 19,6 milhões nos 12 meses de vigência do contrato, caiu para o total estimado de R$ 18,6 milhões, uma economia de aproximadamente 5% em relação ao teto do edital.

CAMINHÕES

Para percorrer todas as regiões da cidade, de segunda a sábado, e atender a mais de 250 mil imóveis, a nova contratada deverá dispor de 114 coletores (99 no contrato atual), 38 motoristas, dois fiscais, dois encarregados, um responsável técnico, um técnico administrativo e um técnico em segurança do trabalho. Para executar a operação, ao todo serão empregados 19 caminhões compactadores, sendo 16 com capacidade volumétrica de 19 m³ e outros três de 15 m³.

Os veículos deverão ser dotados de sistema de rastreamento, monitoramento e gerenciamento eletrônico e, na remuneração paga à terceirizada, estão incluídas todas as despesas diretas e indiretas decorrentes do desenvolvimento do trabalho. Isto é, a soma abarca inclusive impostos, encargos sociais, trabalhistas, previdenciários, fiscais, entre outros. Em 2021, foram retirados dos domicílios londrinenses, diariamente, entre 400 e 430 toneladas de resíduos orgânicos e rejeito.

Imagem ilustrativa da imagem Empresa de Goiás vence licitação e fará a coleta do lixo em Londrina Imagem ilustrativa da imagem Empresa de Goiás vence licitação e fará a coleta do lixo em Londrina
|  Foto: Roberto Custódiio
 

TURNOS

Serão dois turnos de coleta, sendo o primeiro das 7h às 15h20 e o segundo turno das 18h às 3h. A coleta ocorre sempre de segunda a sábado com 17 veículos na rua e dois reserva por turno, além de 76 funcionários por período. No período noturno, em comparação com o contrato atual, há um incremento de mais um caminhão na rua.

EMPRESA É INVESTIGADA

Em fevereiro de 2021, o  juiz Alessandro Luiz de Souza, da 3ª Vara Cível e da Fazenda Pública Municipal de Registros Público e Ambiental da comarca de Itumbiara (GO), tornou indisponível os bens do empresário Luiz José Ferreira e da Sistemma Assessoria e Construções Ltda., no valor de R$ 2.662.054,47 cada, decorrente da execução de contratos emergenciais irregulares, que vigoraram entre 2017 e junho de 2020. O MP-GO apurou que a então superintendência de Trânsito do município assinou contrato com a Sistemma e não observou o seu cumprimento por parte da empresa. O juiz afirmou na época que a “descrição dos fatos na inicial e os documentos que instruem o inquérito civil público revelam, com os indícios necessários, a possível ocorrência de prejuízo ao erário, motivo suficiente à indisponibilidade patrimonial”. 

A reportagem procurou a empresa em Goiás para falar sobre o assunto, mas ela não atendeu os telefonemas. A assessoria de imprensa da CMTU informou que "a empresa apresentou a capacidade econômica e foi feita a pesquisa no Tribunal de Contas de inidoneidade e estava apta. Até o presente momento, não há impedimento."  (Com CMTU)

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1