Em 31 de julho, um acidente semelhante ao de ontem em Curitiba matou dois jovens operários que trabalhavam nas obras do edifício comercial Twin Towers, na Avenida Tiradentes, zona oeste de Londrina. O Instituto de Criminalística de Londrina constatou que o elevador em que estavam Jorge Luiz da Silva Mello e Edvaldo Ferreira da Silva Junior, ambos de 20 anos, tinha instalação precária e não possuía qualquer sistema de segurança.
No laudo, os peritos concluíram que a cabine em que trabalhavam era presa apenas por um cabo feito por outro cabo de aço. Na casa de máquinas, em vez de um motor de elevador, capaz de movimentar cinco cabos, o que estava em uso era um motor de guincho, que movimentava apenas um cabo de aço numa espécie de roldana. O elevador caiu de uma altura de quase 60 metros. Se chocou no solo com uma velocidade superior a 110 quilômetros por hora. A queda durou menos de três segundos.
Os peritos também disseram que no dia do acidente foi constatada uma série de anormalidades quanto à segurança do equipamento. Entre outras irregularidades faltavam outros quatros cabos, contrapeso, ligações eletro-eletrônicas e redutor de velocidade.
A empresa contratada pela Thyssen Sur – responsável pelos elevadores do complexo comercial que encontra-se em fase final de construção – é a JJM Elevadores e Instalações, de propriedade de Arildo Ferreira da Silva, irmão de uma das vítimas. No momento do acidente, não havia nenhum responsável de qualquer das duas empresas no local. O motor definitivo do elevador encontrava-se na casa de máquinas, não instalado, ao lado do motor de guincho que era usado para transportar a cabine.