Irritação e angústia são algumas das consequências de distúrbios no sono
O equilíbrio do organismo humano depende em muito do sono, já que em cada uma de suas fases há acontecimentos importantes para a saúde geral do homem.
É durante o sono reparador – que acontece nos primeiro 60 a 90 minutos que a pessoa adormece – e no sono REM, que prossegue durante toda a noite, por exemplo, que são ativados os circuitos de memória.
Durante o sono reparador também há a liberação de hormônios do crescimento, de substâncias ativadoras do sistema imunológico e de substâncias que agem na reparação de tecidos (cicatrização).
A neurologista Mônica Souza explica ainda que o ritmo dos hormônios está relacionado com os ciclos do sono.
Se o sono sofre alguma alteração, o ritmo de hormônios como o cortisol, por exemplo – produzido por glândulas suprarrenais –, também é alterado, provocando irritação e angústia.
A neurologista Mônica Souza também salienta a necessidade de se respeitar o período de descanso, mantendo uma rotina.
Um dos hábitos que provocam distúrbios do sono é o de iniciar o sono de madrugada e avançar durante a manhã dormindo.
Hoje a modificação de hábitos de vida tem interferido na qualidade do sono das pessoas.
Mônica Souza menciona entre estes hábitos os trabalhos em turnos, poluição sonora – boates, avenidas barulhentas –, luminosos próximo de residências, prorrogação do período de trabalho até a noite e inclusive a Internet, que costuma deixar pessoas acordadas para navegar na rede.
Outros hábitos comuns que hoje interferem na qualidade do sono são o uso de bebidas alcoólicas, cigarros e uso excessivo de remédios para dormir.
A neurologista menciona também o caso de jovens e crianças que passam muito tempo com empregadas e que por falta de afetividade dos pais acabam sofrendo de distúrbios do sono e, consequentemente, desenvolvem doenças psicossomáticas como gastrites e úlceras. (E.P.)