|
  • Bitcoin 120.391
  • Dólar 5,1649
  • Euro 5,2600
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 30/06/2022, 17:54

Dicas para manter os gatos quentinhos nos dias mais frios

Felinos precisam de atenção especial no inverno; camas e mantas nunca são demais, orienta veterinária

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 30 de junho de 2022

Sivia Haidar - Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

São Paulo - Com a chegada de dias mais frios, os gatos precisam de atenção especial. Quentinhos por natureza, os felinos têm temperatura corpórea que varia de 38,1ºC a 39,2ºC - maior do que a nossa, que costuma ficar entre 36,1ºC e 37,2ºC - e têm o hábito de procurar os lugares da casa que transmitem mais calor.

. .
. |  Foto: iStock
 

"Os gatos já são animais que buscam locais mais quentes para se aconchegarem, independentemente se estão com frio ou não. Se estiverem com frio, vão procurar uma fresta de sol ou deitar em cima de mantas. Caminhas, toquinhas e mantas nunca são demais", diz a veterinária Vanessa Zimbres, da clínica Gato é Gente Boa, em Itu (a 101 km de São Paulo).

Uma dica, segundo ela, é disponibilizar uma caixa de papelão, que retém o calor. Dentro, vale a pena colocar uma bolsa de água quente enrolada em uma toalha ou uma garrafa pet com água morna, sempre tomando cuidado com a temperatura para evitar queimaduras.

PARA OS MAIS ATIVOS

"Para deixar os gatos mais ativos, uma forma interessante e divertida é fazer aberturas de tamanhos diversos na caixa para eles colocarem as patinhas ou mesmo entrar. Para enriquecer o ambiente, coloque também brinquedos de vários tipos, com catnip ou petiscos. Isso vai distraí-los por um bom tempo e atiçar a curiosidade deles", orienta.

HORAS A MAIS DE SONO

"É importante ressaltar que nessa época os gatos tendem a dormir mais. Com isso, eles acabam usando a caixa de areia com menos frequência, o que acarreta em retenção urinária e fecal e em maior ganho de peso por se exercitar menos", afirma a veterinária.

Mas as horas a mais de sono não precisam ser um motivo de preocupação. "O alerta fica caso o animal fique letárgico, não se alimente normalmente, fique com os pelos feios ou emaranhados ou recuse interação com o tutor. Qualquer comportamento anormal deve ser investigado por um especialista", observa.

IMUNIDADE

"Uma vez que os vírus responsáveis pela rinotraqueíte felina (Herpesvírus e calicivírus) não são eliminados do organismo, a queda no sistema imune faz com que eles manifestem a doença. Procedimentos cirúrgicos, eletivos ou não, desviam a atenção do sistema imune para a recuperação cirúrgica e convalescência dando uma brecha para o vírus. Por isso é fundamental manter o organismo o mais saudável para dar suporte a imunidade do animal", diz.

AQUECEDORES E UMIDIFICADORES

A especialista alerta ainda sobre o uso de aquecedores e umidificadores "Muitos aquecedores pode chegar a derreter os cabos, tomadas e a própria grelha, dependendo da temperatura e tempo de uso. Aquecedor a óleo é uma boa opção, caso o tutor não tenha ar condicionado com aquecedor. É importante tomar cuidado com acidentes. Já o umidificador pode ajudar, mas nada em excesso. Se o gatinho for asmático, é importante conversar com o veterinário sobre o tempo de exposição ao umidificador", detalha.

****

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1